Associação Livre

Arquivo para a Categoria: Pessoal

De quem são as histórias que a gente conta?

Por Aline Sieiro em 26/07/2016 17:50

Tenho pensado demais sobre a escrita e sobre as histórias que a gente conta. Desde pequena aprendi que esse negócio de narrar histórias é importante. Ainda muito nova, acompanhava minha mãe na época de mestrado: ela ia estudar numa sala em que as pessoas contavam suas histórias e sempre saiam chorando. Eu achava aquilo curioso, não entendia como as pessoas achavam bom ir para uma sala, toda semana, contar suas histórias e sempre sair chorando. Minha mãe é pesquisadora e trabalha com pesquisa narrativa. Ainda acho perigoso o trabalho que ela faz (haha #interna), mas hoje entendo bem mais a linha de pesquisa e os objetivos que envolvem esse tipo de pesquisa.

Algum tempo depois, fui secretária de uma psicóloga. Me lembro da sensação que era observar, o dia todo, a entrada e a saída de todo tipo de gente com cara de choro. Ficava fascinada, tentando imaginar o que acontecia lá dentro e que histórias aquelas pessoas contavam. Quando a psicóloga não estava lá, eu entrava na sala vazia e ficava fantasiando sobre aquele monte de gente e suas vidas. Por que raios as pessoas iam lá toda semana e saiam com cara de choro? O que leva alguém a contar sua história e por que isso é importante?

Dos caminhos que me fizeram chegar na psicanálise, esses foram alguns momentos importantes do processo. Hoje sou eu que escuto, vivo e escrevo algumas dessas histórias, para fazer a transmissão da psicanálise via caso clínico. E me pergunto: como contar as histórias que vivo com os analisandos, alunos, supervisionandos, para fazer transmissão do ofício do psicanalista, da importância de tentar nomear algo sobre o irrepresentável da vida e da particularidade de cada um?

Todo psicanalista tem como parte do seu trabalho a escrita de caso clínico, bem como a apresentação de trechos clínicos em eventos. Mas a escrita de um caso clínico, ainda que seja já uma outra versão do que foi vivido entre analista e analisando, é “baseada em fatos reais” (se é que posso brincar com essa frase tanto utilizada nas ficções). Há algo de particular e íntimo sobre a maneira como cada um vive e sente suas angústias que será sempre compartilhado e reconhecível pelo sujeito envolvido. Afinal, não é justamente disso que se trata uma análise? Da maneira particular como cada sujeito põe em movimento sua angústia frente a impossibilidade? Antes da internet, essa questão era facilmente deixada de lado, já que era muito mais simples fazer isso sem se preocupar muito com os efeitos dessa narrativa na vida dos pacientes. Quando contamos um caso clínico, ainda que ela seja uma versão do analista sobre o que ocorreu em análise, ainda se trata do analisando, de sua história e de como ela foi construída com o analista. Freud, mesmo protegendo a identidade de seus pacientes, não conseguiu evitar que soubéssemos que eram. Alguns se revelaram por conta própria, outros eram amplamente discutidos nos meios psicanalíticos e acabaram chegando na boca do povo. Há relatos, por exemplo, sobre a perturbação que foi para o homem dos lobos a publicação de seu caso por Freud; em dado momento chegou a dizer publicamente que só foi usado pela psicanálise e que nunca foi cuidado, crítica que ganhou força a partir da publicação posterior de discordâncias de alguns psicanalistas frente ao diagnóstico freudiano do caso. Controvérsias a parte, há uma questão ética, em diversos níveis, que se apresenta quando contamos uma história. Especialmente quando se trata de um caso clínico de uma análise em andamento.

Em algumas ciências vizinhas, essa preocupação perde o lugar frente a necessidade de ensinar e fazer a ciência evoluir. Pelo bem da ciência, passamos por cima das pessoas. Nossos colegas da medicina, por exemplo, não encontram outras maneiras de realizar seu ensino. Já no passado eram conhecidos pelas famosas cenas de apresentação de caso, aquelas cenas clássicas em que o paciente é exposto em um auditório lotado de estudantes que aprendem. Hoje a cena mudou um pouco sua configuração, mas basta uma visita aos hospitais de residência médica para encontrar por lá a mesma realidade. Em psicanálise a gente não apresenta o paciente dessa maneira tão concreta, mas quando apresentamos os casos clínicos, fazemos uma versão dessa mesma lógica da apresentação dos pacientes. O que nos diferencia? Há diferença? Há.

A escrita de caso clínico, em psicanálise, é permeada por uma ética particular. Esse item merece um texto próprio, que não pretendo responder agora. Passo por esse tema apenas para chegar na atualidade, no mundo em que o google não esquece e tudo encontra. Se no passado a questão já existia, hoje ela é potencializada pela internet. Como escrever e apresentar um caso clínico que pode ser importantíssimo para a transmissão da psicanálise, por exemplo, num caso de paranóia, em que a simples menção a possibilidade de escrita, para o analisando, pode desencadear o próprio processo paranoico? Apostamos no trabalho de escrita como parte do trabalho, ainda que isso possa afetar diretamente a direção de tratamento? Questões, muitas questões que o tempo contemporâneo nos faz repensar sobre a transmissão da psicanálise e na escrita de caso clínico.

Ainda que sejam questões difíceis e impossíveis de universalizar, os psicanalistas seguem escrevendo casos clínicos. Contardo Calligaris, por exemplo, não só escreve sobre seus pacientes, como fez até uma série sobre isso. Ainda que ele misture casos e não fale especificamente de nenhum deles, ele fala de todos eles. Uma amiga psicanalista diz que ele faz sucesso roubando as histórias dos analisandos. Não concordo, mas também não discordo. A quem pertencem as histórias que são vividas por mais de uma pessoa? Como contar da experiência de ser analista e qual o limite do que se conta quando o ser do psicanalista envolve as histórias de seus analisandos?

Outro dia meu filho mais velho “me autorizou” a escrever minha história sobre a maternidade dele. Foi uma história traumática que eu quase nunca conto porque sei que ela envolve nós dois de uma maneira cheia de dor. Ele me disse que eu deveria contar, que eu poderia ajudar as pessoas contando sobre as dores que passamos, pela minha perspectiva. Ele está com 17 anos e passando pela escrita, tentando construir ele mesmo suas histórias e narrativas. Agradeci a autorização que ele me deu, mas minha escrita não passa por esse lugar. Não é da posição de protagonista de uma história que a escrita me interessa. Nesse sentido, entendo que a escrita de um caso clínico, do lugar de analista, não é sobre o que o psicanalista sabe, vive ou sofre. A escrita de um caso clínico e o que se transmite tem a ver com um não saber que é posto a trabalho pelo analisando. Trabalho feito a dois, mas em que o analista é apenas semblante de objeto a, causa de desejo. Assim, como escrever sobre o traumático da vida do analisando para que isso ganhe outras possibilidades de amarração na análise e também na escrita do que foi vivido em análise?

A primeira vez que fui fazer uma pesquisa, ainda na faculdade, eu queria reencontrar ex-pacientes da clínica escola para descobrir os efeitos do processo terapêutico vivido no tempo que eles usaram o serviço. O conselho de ética me proibiu, dizendo que não poderia correr o risco de reviver nos pacientes algo de traumático deles. Mas se um processo terapêutico é justamente o encontro com o real e a possibilidade de borda (e não uma eterna evitação do real), aquela resposta não fazia muito lógica pra mim, já naquele tempo. Eis que hoje me vejo tendo esse mesmo cuidado, não para evitar o encontro com o real, mas para ter responsabilidade frente a maneira como cada um lida com suas questões. Recentemente, fui participar de um evento de psicanálise em que contar alguns casos clínicos faria grande diferença na discussão do tema. A plateia era feita de estudantes de psicologia, em sua maioria, e poder falar com eles sobre teoria a partir da prática é algo que eu acredito e que faz parte do meu estilo na transmissão que faço da psicanálise. Mas cada vez mais me pergunto sobre como falar de pontos importantes de casos clínicos, publicamente, quando esses pacientes (ainda em tratamento) terão acesso. Terão acesso ou por estar na plateia (porque atendo muitos estudantes de psicanálise), ou por esse material chegar na internet. Ainda que tenham autorizado, os efeitos dessa história recontada por mim, na escrita do caso clínico pode afetar diretamente o tratamento e a vida desse paciente, no hoje, no presente.

Questões ainda sem resposta, que vou trabalhando no particular, com cada paciente, quando isso vem a ser uma questão na análise. Cada vez mais entendo que a minha transmissão tem como marca a escrita da experiência, do vivido, do que se faz a dois (e a muitos) quando se fecha a porta de um consultório. Por um tempo achei que isso era muito expositivo, não só para os pacientes tomados como caso clínico, mas também para mim na minha função de analista. Mas, como disse acima, há algo que é necessário se transmitir, sobre uma experiência de análise. E essa escrita leva a marca do analisando, mas leva minhas marcas também. A escrita tem algo mesmo de um traço, do resto e de um efeito do encontro entre sujeito e Outro: algo sempre se perde e fica apagado, mas é impossível remover as marcas particulares de quem fala e de quem escuta. Hoje sei que cada teoria responde a essa questão a sua maneira, inclusive na psicanálise. Mas, mais uma vez, estou procurando a minha maneira de responder a todas essas questões importantes que surgem quando estamos misturados com o ofício e a transmissão da psicanálise. Sobre como cada paciente faz a escrita de sua existência na vida quando não há palavras para descreve-la. Sobre como eu faço testemunho e transmissão desse percurso tão particular. Uma amiga me disse que a gente só escreve em torno do inacessível, de um negativo. É isso. “Não há como entrar na teoria sem passar (e sofrer) os efeitos de um estilo. A inclusão do efeito transferencial no próprio ato de transmissão da psicanálise é o motor do que a impede de ser cristalizada na lógica do discurso universitário” (Leite, N.). Então, vou encarar a passagem pelo escrito. No meu estilo. Me acompanham?

Sobre o aeroporto, um menino e o excesso de bagagens

Por Aline Sieiro em 21/07/2016 16:22

 

Dessa vez eu estava indo para Cartagena, na Colômbia. Mas quem eu encontrei primeiro não foi nenhum colombiano e nenhuma praia, foi um garotinho lindo e perdido chamado Christopher.

Estava com meus amigos, fazendo check-in no aeroporto internacional de Guarulhos. Fazia muito frio em São Paulo e reparei em uma senhora e uma criança sentados no chão do aeroporto, perto de uma das portas de entrada. Percebi que no guichê ao lado do meu, um senhor, funcionário da companhia aérea, falava alto e resmungava qualquer coisa enquanto se dirigia a senhora e ao menino, que devia ter no máximo sete anos. Algo dessa cena me capturou. O menino parecia perdido, sem saber o que fazer, enquanto sua avó lamentava e o funcionário falava sozinho.

Escutei o funcionário, que me explicou toda situação: a senhora possuía sete malas de viagem e essa quantidade ultrapassava o limite permitido pela empresa aérea. Deveria escolher apenas quatros malas. Frente a esse problema, a senhora sentou no chão, num misto de choro, lamento e incompreensão, sem conseguir escolher. O menino não sabia o que fazer, a não ser segurar sua mochila e um pote de iogurte. E o funcionário da empresa pedia encarecidamente para que ela decidisse, pois perderia o voo. Ele dizia que queria muito ajudar, que era cristão, mas que não poderia fazer milagres. Ela precisava escolher as malas e abandonar algumas. A senhora apenas falava algo que parecia ser francês, mas uma língua-lamento que ninguém entendia, a não ser o próprio menino, Christopher. Ele falava português e tentava traduzir o que era dito para a senhora, e vice-versa, mas parecia muito perdido com o que estava acontecendo.

Conversei com o funcionário sobre quais seriam as possibilidades da senhora, se ela quisesse levar todas as malas. Outra funcionária se aproximou e disse que ela poderia pagar a multa por excesso de bagagem e levar todas as malas, mas quatro delas iriam como mala de mão. Conversei com Christopher, pedi para ele tentar explicar a situação para a avó (já que ao tentar conversar com ela, não nos entendíamos). Ele conversava com ela, mas parecia envergonhado. Não traduzia para nós o que ela dizia. Logo fui entendendo que ela não tomaria nenhuma decisão, que ficaria ali em seu lamento e isso parecia deixar Christopher totalmente sem ação. Perguntei a ele se ela tinha dinheiro. Ele conversou com ela, e ela me entregou alguns dólares e reais. Fizemos os cálculos e percebemos que aquele valor pagaria o excesso de malas.

Com o dinheiro, pagamos a multa para as malas. Seiscentos reais. Muito dinheiro!! E mesmo assim uma mala ficaria no aeroporto. O que estava naquelas malas parecia ter muita importância para aquela senhora. Com isso resolvido, precisávamos abrir as malas que seriam levadas na mão para tirar objetos que poderiam ser barrados, como líquidos e comidas. Pedi ajuda ao menino para abrir as malas. Fizemos tudo isso enquanto a senhora já lamentava menos, mas apenas observava a movimentação com as malas. Quando ele abriu as malas, tudo que vimos eram coisas muito simples: brinquedos que pareciam ter saído das lojinhas de R$ 1,99; vestidos de tecido barato; sapatos aparentemente comprados na 25 de março; enfim, tudo muito simples. Nada daquilo valeria os seiscentos reais da multa. Algumas fotos caíram da bolsa da senhora e logo fomos percebendo que o valor daqueles itens não era mesmo financeiro, mas sim afetivo… A cada item que tirávamos da mala, porque não poderia ser levado, a senhora chorava e lamentava, mais uma vez. Parecia que estávamos tirando pedaços do corpo dela. Christopher estava inquieto, por vezes embotado, mas seus olhos não me enganavam: estava triste, perdido. A única coisa que disse que é que levaria sua mochila com seus brinquedos. Assim, tiramos diversos objetos e entendi que precisaríamos carregar este menino e essa senhora até a sala de embarque, pois eles não dariam conta nem do peso das malas e nem do peso emocional, seja ele qual fosse.

E lá fomos nós, eu e meus amigos, carregando as malas do menino e da senhora. Eu tentava entender o que estava acontecendo, indignada por pensar que haviam deixado aqueles dois no aeroporto naquelas condições. Mas, algo mais importante estava acontecendo ali. Mesmo sem entender nada, eu já estava extremamente tocada por essa confusão e fiquei ao lado do menino e fui tentando conversar. Perguntei quem ela era e descobri que não era avó, era uma tia. Descobri também que ele estava deixando pai e mãe no Brasil (e por isso muitas vezes olhava para os portões do aeroporto, parecendo em busca de alguém); que estava indo para Porto Príncipe com a avó morar lá, mas não sabia porquê. Basicamente, ele não sabia porque estava indo viajar, parecia não ter muita intimidade com a tal tia e quando mencionei os pais, sobre saudade e afins, ele quase chorou e não quis mais conversar. O que ficou claro é que ele realmente não estava entendendo muito tudo que estava vivendo, mas sabia que estava indo embora morar em outro país.

Ao entrar na sala de embarque, pude pegar os documentos e passaportes dos dois. Os passaportes eram franceses. Não entendi como ele poderia ser brasileiro com passaporte francês, mas achei que se tivesse algo de errado com essa viagem, aparecia na hora que passássemos na policia federal. Passamos e nada aconteceu. Qualquer que fosse a história de Christopher, estava legalizada. Deixamos os dois na frente da sala de embarque. Estávamos exaustos, física e emocionalmente. De longe, observei o menino e percebia o quanto ele parecia sozinho, triste, perdido. Minha vontade era de ficar do lado dele e conversar mais, mas entendi que dali pra frente eu não poderia mais fazer muita coisa por ele. Segui meu caminho.

Quando eu sai de casa, naquele dia, sabia que estava indo para Cartagena, mas não sabia o que estava indo encontrar. Gosto de viajar porque no mundo a gente vive os encontros e desencontros com os mais variados tipos de pessoas e culturas. Porque a vida é feita disso, de movimentos, encontros, desencontros e o que a gente faz com tudo isso. Meu encontro com Christopher nunca mais será esquecido. Ficou um aperto no peito, das tantas histórias que nunca sabemos dessas crianças vivendo as coisas mais doidas pelo mundo. Eu sei que não fiz nada por ele, mas tentei pelo menos estar lá por alguns minutos para construir algum movimento a partir de tanto absurdo e nonsense.

Um dia desses, ao participar de uma palestra sobre a formação em psicanálise, um rapaz me pediu um abraço, mesmo sabendo que “psicanalistas não abraçam”. Circula por aí essa ideia de que o psicanalista lacaniano é frio, arrogante e tantos outros adjetivos peculiares. É tudo verdade. Tem uma hora da vida que é preciso decidir e fazer uma aposta: ou você fica com pena e chora junto com sobre os lamentos da vida, ou você trata as pessoas e as situações com a seriedade necessária, e faz um ato. Quando você fica com pena de alguém e se identifica, entende, você não ajuda. Afeto pra mim não é ter dó, não é agarrar, não é ficar dizendo que ama. Cuidado não é narcísico, não é algo que a gente faz por imagem ou conforto. Topar um laço com um estranho, numa situação estranha, de angústia e desconforto, simplesmente porque aquilo parece que é o que precisa ser feito para que alguém possa, talvez, sair de uma situação de angústia e paralisia, isso pra mim é o caminho do cuidado, do afeto, do laço social. Atos que construímos frente ao nonsense e a impossibilidade da relação sexual.

Eu não faço ideia do que eu fiz ali com aquele menino e nunca vou saber. Mas eu sei que algo aconteceu. E sei que preciso deixar essa marca escrita e registrada, sobre a possibilidade de um encontro no meio do caos. Quando eu vivo e viajo, é pra viver esse tipo de encontro com a vida, com o estrangeiro familiar: pra inventar algo e continuar vivendo. A vida é um eterno não saber em sua relação com o tempo e o espaço. E com as pessoas.

São Paulo e seus RoboCops

Por Aline Sieiro em 11/05/2016 16:41

Minha saída de São Paulo foi fundamental no meu processo de humanização. Isso mesmo que você acabou de ler. São Paulo transforma as pessoas em máquinas. E do pior jeito, disfarçadas de alternativas, livres, descoladas e intelectuais. Mas na primeira esquina, topando com o primeiro mendigo, tudo isso cai por terra.

No remake do filme RoboCop (esse mesmo, rs), tem uma cena em que o cientista explica o que acontece para justificar a excelência do homem-robô:  ele parece humano, mas a máquina consegue controlá-lo de uma maneira que ele acredita ser responsável por seus atos. O chip colocado em seu “hardware” (cérebro), induz a crença da consciência e do livre arbítrio, mas que na realidade não o tem.

Se já não é trabalho suficiente sermos habitados pelo nosso inconsciente e sermos estranhos em nossa própria morada (um outro papo em outro texto), acrescente a este drama humano a crença cega de uma pessoa em sua própria fantasia, já que ela parece garantir um melhor jeito de lidar com o mal-estar da civilização (sendo bastante freudiana). O “ser paulistano” é tão seguro de si e bem resolvido, que no primeiro topão com o real, com a vida como ela é (o mendigo, o drogado, a passeata, a paulista fechada, etc.), tudo desmorona facilmente e desencadeia todo tipo de resposta violenta contra isso que o tira do seu caminho.

Não é preciso sair de São Paulo para dar de frente com o desmonte da Matrix. Alguns guerreiros pretendem implodir essa lógica paulistana de ser por dentro. Confesso que não fui tão forte. Sai do Rio de Janeiro com apenas oito anos e me apaixonei por São Paulo. Foi lá que eu entrei na classe média. Foi lá que eu construí minha identidade paulistana. Foi lá também que eu sofri todos os preconceitos do mundo. Eu costumava ter um discurso pronto sobre como essas situações fortaleciam meu caráter. Dizia que me faziam mais forte, mais tipicamente paulista. Nada mais paulistano, não é esse o discurso? São Paulo ensina as pessoas a trabalhar, a não reclamar, a provar o funcionamento da meritocracia. Ao custo de muito sofrimento psíquico, sem dúvida. Tudo isso é extremamente violento, mas essa parte ninguém conta. Assim como os boletins de ocorrência são mascarados, uma espécie de cortesia e prestatividade funcional escondem as grandes violências contra as minorias. E São Paulo é lotado delas, o que é mais curioso!

Mas então o que acontece com a gente, em SP? Já dizia Criolo: não existe amor em SP. Ficamos igual o RoboCop. Acreditamos na suposta escolha de uma maneira de viver e fazer as coisas, mas é tudo parte de um jeito de uma lógica social que é violenta e apagadora da diferença. Posso afirmar sem medo que São Paulo me ensinou tudo que sei hoje sobre a vida, mas me tornei extremamente babaca no processo. De origem simples e sempre interessada por aquilo que a sociedade considera resto, durante anos (mais de vinte) acreditei e reproduzi todos os grandes chavões paulistanos.

O mais difícil tem sido me reconhecer em tudo isso. Eu também sou parte dessa SP, ela é estranhamente familiar todo mês, quando retorno para visitar. Mas tem algo que já não produz mais laço e que vai resultando apenas em um mal-estar e um gosto amargo quando, andando por lá, encaro de frente toda essa babaquice que não é possível de ser isolada do jeito paulistano de ser.

Nasci no Rio, cresci em SP, moro em Minas. Quando me perguntam de onde sou, não sei o que dizer. Sou de todos esses lugares e de nenhum deles. Mas definitivamente São Paulo é aquele relacionamento abusivo que é instaura um antes e um depois. São Paulo me estruturou e me arrebentou na mesma proporção. Mas fiquem tranquilos. Esse não é um texto de ódio a São Paulo. Pelo contrário. Depois de comer e me fartar tanto desse prato, estou aprendendo a lidar com a indigestão que restou. Dá uma vontade enorme de salvar aquele pedaço subversivo que também é marca de São Paulo, uma São Paulo dos becos mais estrangeiros dessa cidade. A paulista fechada aos domingos é essa subversão escancarada.

Assim, compartilho do meu trajeto para dizer que conhecer o Brasil pode fazer muito bem ao paulistano. Todos nos alienamos a alguma referência e ela sempre será fortíssima, mas é importante nos permitir a aventura pelo que não sabemos do nosso Brasil, nosso pais marcadamente diferente. E não me venham com mais um chavão tipicamente paulistano “ame SP ou deixe-a”! A vida é um eterno ir e vir. Paulistano nenhum vai mudar o fato de que essa cidade foi feita pra circulação dos mais variados tipos de gente. São os paulistanos que esqueceram de circular! Vocês que me perdoem, mas esses são alguns dos caminhos da torção pra SP e para todos os paulistanos!

poesia

Cinco gerações de mulheres em um jantar de família: histórias de horror sobre o assédio sexual

Por Aline Sieiro em 29/11/2015 00:26

silencio

Estava em um jantar de família com cinco gerações de mulheres: minha avó, minha mãe, minha madrasta e minha prima mais nova. Conversávamos sobre as diversas experiências de assédio que vivemos durante a vida e chegamos a uma triste conclusão: parece que o que foi vivido por minha avó ainda é a mesma realidade vivida pela minha prima. Em relação ao assédio, parece que nada mudou. Compartilhamos narrativas e histórias de homens que, diariamente, mostram seus pintos na rua, roçam seus membros no nossos corpos no metro, passam a mão um pouco a mais até na hora da tatuagem e do exame médico. As situações são tão cotidianas que nos acostumamos a conviver com os sentimentos de vergonha, humilhação e medo.

Outro dia escutei alguns homens dizendo que as mulheres estavam exagerando nas redes sociais; eles diziam que os relatos nas hashtags #primeiroassédio #meuamigosecreto estavam passando dos limites: “ninguém aguenta mais escutar esses mimimis”, eles diziam. Outros diziam que rede social não era lugar para esse tipo de história ou desabafo. Quero dizer para vocês, queridos homens, que se fossemos realmente contar todas as situações de assédio que já passamos, não ia ter rede social que desse conta das repetidas histórias que não cessam de se apresentar em nossas vidas todos os dias, há anos e anos. Se vocês estão cansados de ouvir algumas delas, imagine o quanto nós estamos cansadas de vivê-las; o quanto nos apavoramos quando, num jantar em família, percebemos que muitos anos se passaram e nada disso evoluiu. O machismo está ai para nos aterrorizar sim, todos os dias, quando temos medo de ir fazer xixi na universidade porque sabemos que estudantes de engenharia, medicina, filosofia (e vários outros cursos), ainda hoje, estupram colegas de sala em bandos; quando trabalhadores da construção civil ainda se sentem no direito de abaixar suas calças em plena luz do dia; quando o pai do amigo do seu filho fica te olhando com aquela cara nojenta de tesão enquanto mexe a língua, te comendo com os olhos, em público.

Eu acho é pouco esses relatos. E sei que ainda temos muito medo de dizer nomes, fazer denúncias, porque nunca temos como provar. Pior ainda é quando a retaliação vem das próprias mulheres e de nossos familiares. Até mesmo de alguns analistas que insistem em usar a máxima “somos sempre responsáveis pelos nossos sintomas” para fazer valer o ponto de que, sempre, a culpa é da vítima, se esquecendo que somos inseridos em uma relação direta com a cultura que nos antecede, de um machismo poderosíssimo e muito difícil de derrubar. Vitimismo, vocês podem pensar! Talvez. Algumas mulheres se posicionam mesmo nesse lugar, vivendo e se alimentando dessa devastação por anos e anos. Mas, infelizmente, muitas mulheres nunca tiveram possibilidade de construir outro lugar que não esse que sempre nos foi oferecido de bandeja, gerações após gerações, como o lugar de mulher. Então, eu acho é pouco mesmo a quantidade de narrativas de assédio. Porque quando falamos, fazemos o mal estar surgir e tentamos finalmente sair da posição de vítimas, possivelmente nos tornando agentes de alguma mudança. A idéia é mais ou menos assim: ou vocês encaram o mal estar junto com a gente, para podermos mudar alguma coisa nos próximos anos, ou tudo vai continuar sempre sendo apenas histórias silenciadas, segredos de mulheres em seus jantares de família.

De onde fala meu silêncio

Por Aline Sieiro em 13/06/2013 11:15

Parto do pressuposto que o silêncio diz. A ausência de palavras deixa espaço para o ato de dizer, para além de enunciados. Tão logo os afetos e sentimentos ganham palavras para descrevê-los, algo já se perdeu. Assim como numa tradução entre línguas em que algo sempre se perde, dos afetos e sentimentos para as palavras, algo já se perde também. E estou aqui apenas problematizando sobre o meu lado da história, já que pensar no segundo momento que é o de quem lê, que já lê uma terceira coisa, outra, bem diferentes, nem se fala…

Silencio as palavras para escutar a mim mesma e aos outros. E nesse silêncio eu respondo, Um a Um. Ainda não aprendi como sair dele e usar as palavras sem que elas falem para uma massa e por isso me atenho no meu silêncio. Ele diz que estou invocada e mergulhada no Um a Um. Estou apaixonada por esse sujeito do inconsciente, do desejo, que só se apresenta no seu particular e de maneira bem evanescente. Não consigo mais deixar que as palavras saiam afobadamente num discurso cheio de conhecimento e de saber, mas de pouca verdade. Uma psicanalista disse em um evento, semana passada, que não entende porque tantos psicanalistas são convocados e vão responder sobre questões diversas do mundo. Um psicólogo, um sociólogo ou qualquer outro profissional que estuda o humano poderia muito bem responder essas questões, com propriedade. Um psicanalista não deveria ter que dizer nem formular nenhum saber sobre nada disso, já que ele se sustenta no não saber. Os sujeitos que o convocam é que tem muito a dizer e a partir daí oferecemos a escuta disso, que vem daquele que demanda algo, não o inverso. A frase foi: A psicanálise está em todos os lugares e o psicanalista em outro. Vendo a psicanálise em tantos lugares, estou em outro. Essa tem sido a minha aposta nos últimos anos, mas tenho certeza que existem outras. Por isso aqui falo apenas de mim e de um momento específico, porque também tenho certeza que virão outros. Por hora é esse. $ <> a

 

 *A frase foi enunciada por Nina Leite em um evento que logo será divulgado em vídeo.

*Estou no Um a Um por ai, sempre darei notícias disso. O silêncio é também trabalho.

Escrever para que?

Por Aline Sieiro em 14/12/2011 23:25

2011 para mim foi um ano de muita escrita. Escrevi muito aqui e escrevi muito para a academia. E a escrita acadêmica tem algo de trabalhoso, como uma escultura que precisa ser trabalhada pelo escultor, que também não sabe muito bem qual será o resultado final.

Sempre me incomodei um pouco com o processo de autoria e o por quê de escrever um texto. Em algum texto meu anterior aqui no blog eu já havia discutido a idéia do porquê escrever. Escrevemos por vários motivos, mas a escrita que mais me movimentou nesse ano foi a singular, ou seja, aquela que teve algo de inédito e particular. Sem esse toque especial, ou seja, sem algo minimamente novo no texto, penso que ele perde um pouco o sentido. Repetir, pra que? Se for por acrescentar pelo menos uma vírgula, ai até posso entender o motivo da escrita. Mas apenas para repetir? Não, obrigada.

E no meio acadêmico, as vezes a escrita parece de um gozo em looping: todo mundo falando das mesmas coisas de maneiras quase parecidas. Vejo revistas (periódicos) em que os artigos parecem sempre falar de uma mesma coisa. Parece que as pessoas precisam ouvir muitas vezes a mesma idéia, dita várias vezes por pessoas diferentes, para acreditar naquilo que é já é realidade na prática, ou melhor, na vida. Teorizar muito pode ter esse problema. E posso dizer que esse é um problema que eu enfrento constantemente na minha escrita. Quantos são os textos e páginas que eu simplesmente jogo fora por achar que são apenas repetições de coisas já ditas. E não adianta tentar me convencer de que “esse é o modo como eu vejo isso, então isso é novo”, porque isso não me convence. É preciso ter algo de novo sim, e que tenha sentido não só para mim. O tempo é muito curto pra perder tempo repetindo. Ficaria mais fácil indicar a leitura e não escrever todo um texto para defender algo que já foi escrito.

Talvez por isso eu esteja escrevendo menos no blog. Porque quando navego pela internet, tenho a sensação de que todo mundo já está dizendo tudo e todos já estão dando as informações e suas opiniões sobre elas. Por outro lado, talvez eu tenha escrito menos também porque certos temas são delicados, as pessoas não estão preparadas para ouvir o âmago da questão sobre determinados assuntos. Escrever desse jeito pode suscitar mais agressividade do que de fato a abertura para um dialogo reflexivo.

Tenho um texto de 2008 que faz muito sucesso. Outro de 2010 que também tem muitos comentários. Mas, tanto tempo depois, ainda recebo comentários e conclusões repetidas de pessoas diferentes,e isso me deixa levemente irritada. Talvez hoje eu entenda melhor a resistência de Lacan em escrever. A fala, a aula, o diálogo nesse sentido é muito mais movimento. E por sempre se dirigir a alguém “concreto”, talvez produza algo de mais genuíno no presente, entre quem fala e quem escuta. Porque esse ouvinte não tem nada de passivo. É uma construção ali, na relação. Já na escrita, o leitor pode ser movimentado, mas não necessariamente o escritor. Vejo tantos textos que parecem ter sido escritos por robôs… Não sei divago… Talvez por estar muito envolvida no trabalho analítico com meus pacientes, percebo a importância da construção em análise. Aquilo que é feito em transferência ali no hora. Que depois não é a mais a mesma coisa. Que fora do setting não tem muito sentido. Acho que estou pensando assim da escrita um pouco. É uma maneira de se pensar, que, obviamente, não é a única. Talvez a escrita esteja mais para o tempo de compreender e momento de concluir.

Talvez eu me incomode também com o lugar da repetição, como conceito analítico, no processo de constituição e implicação subjetiva das pessoas. Bom, mas isso já é tema para outro texto.

O ato violento

Por Aline Sieiro em 15/09/2011 15:18

Hoje fui abordada por 3 viaturas policiais na rua. Já estava em frente ao prédio do meu consultório. Três carros nos abordaram de forma súbita, já com armas apontadas para dentro do carro, pedindo que saíssemos com as mãos pra cima e encostássemos no carro. Por ser mulher, pediram que eu ficasse de lado e prosseguiram com o procedimento de revista em meu marido que, assustado, não fazia exatamente o que os policias pediam.

Depois dos 5 minutos de estresse geral (da nossa parte e da parte dos policiais), eles nos explicaram o que aconteceu e porque a abordagem: perseguiam dois “marginais” que estavam no mesmo local com o mesmo tipo de carro.

 

Medo, angústia, terror, humilhação, impotência.

 

Um evento desses, obra do puro acaso, me fez pensar sobre o desamparo e a sensação de impotência e angústia que ele produz. E não podemos deixar de pensar na realidade das pessoas em que situações como essa não são acasos, já se tornaram parte de uma realidade cotidiana e rotineira. Vocês conseguem imaginar o que é morar em um bairro/favela em que todo dia você passa por situações que te confrontam com sentimentos tão arrebatadores com o medo, a angustia, o terror, a humilhação e a impotência?

De passagem pelo Rio de Janeiro (que, aliás, é minha cidade natal) para um evento, percebi o quanto a violência foi internalizada pelos moradores de lá. Parece que eles já não se assustam mais com os tiros que correm soltos pela noite e muito menos com o cheiro de urina e esgoto que percorre toda a cidade e suas lindas paisagens. E para aqueles que não conseguem acomodar esses afetos na rotina, existe o álcool e a droga para amenizar, anestesiar. Para outros ainda existe o ato violento, como forma ativa de rebeldia contra isso que é avassalador desse dia a dia da ordem do horror.

Mas, voltando ao lugar distante dessa realidade crua (que por vezes é jogada na nossa cara), me pergunto como podemos viver em um jogo de cartas marcadas, sem se deixar afetar por isso que é o horror de uma vida permeada de medo, humilhação, violência. Nos apressamos logo para dar destinos a esse mal estar, com políticas de pão e circo, e até mesmo políticas de saúde para todos, segurança social, contenção de situações de risco… E no final, não enfrentamos o mal estar que existe e permeia nossas relaões sociais. Será que isso é utopia ou possibilidade?

Então por hoje, não vou dar destinos a esse mal estar. Vou apenas falar dele e deixar o efeito produzir algo mais do que apenas um sentido.

 

Podcast Episódio 08 – Blog Associação livre: Produção de texto na internet

Por Aline Sieiro em 24/06/2011 16:57

Demorei mas retornei. E volto logo com o audio de uma fala que fiz no curso de Tradução da Universidade Federal de Uberlândia, em que fui gentilmente convidada pela Profa. Cirlana. A temática era a produção de texto, e no meu caso fui convidada para falar sobre a produção de textos para a internet. Espero que gostem de escutar um pouco da história do meu blog e de como acontece a produção das escritas do meu texto.

Links de textos comentados durante o podcast:

Música do Podcast: B.W.O.J. – The D.O.

Contando histórias e criando sentido – Deficiência Visual

Por Aline Sieiro em 06/02/2011 23:33

A história

Pra quem ainda não sabe, tenho um filho de 12 anos que possui baixa visão. De acordo com os mil exames e mil médicos que já passamos, ele enxerga 0,03 em um olho e 0,05 no outro. Se você é esperto e foi pesquisar, já percebeu que de acordo com a tabela oficial ele é considerado quase cego. Mas os médicos percebem que essa tabela não consegue ser tão precisa como deveria, já que ele tem essa porcentagem ai mas enxerga como uma pessoa que tem baixa visão. Diagnósticos, como sempre, não dão conta da subjetvidade e da singularidade de cada caso, mas esse não é objetivo desse meu texto. Hoje eu vou começar a contar uma história (das mil que vivemos) sobre como é ser mãe de uma criança com baixa visão nesse mundo ai de doido.

Fazer esportes, para quem é cego ou tem baixa visão, é uma coisa complexa. A maioria dos esportes envolvem corridas ou necessitam de uma relação com um objeto/objetivo distante, que obviamente não podem ser vistos por uma pessoa que não enxerga direito. Então, depois de tentar muitos deles (até mesmo os adaptados) nada deu certo para o Gabi. E não é mesmo da personalidade dele gostar de esportes, então ficamos sem opções para as atividades extra-curriculares. Aqui em casa temos uma ligação muito forte com a música e com isso ele desenvolveu interesse no aprendizado do teclado. Mas pagar por um professor particular estava fora das nossas possibilidades, então bora atrás do Conservatório.

Aqui em Uberlândia o Conservatório Municipal oferece muitas aulas de música: diversos instrumentos para diversas idades e de graça. Basta que no final do ano você se inscreva no processo seletivo e seja selecionado. Ao entrar em contato com eles, em setembro no ano passado, descobri que crianças com “necessidades especiais” (detesto esse termo) têm um processo seletivo a parte já que existem vagas específicas voltadas para esse grupo. Entrei no site e quando terminei de preencher as mil lacunas fui direcionada para uma página que me dizia que a data dos “especiais” era diferente e que eu teria que entrar em contato com o Conservatório. Depois de passar a tarde tentando (porque só dava ocupado) uma pessoa me atendeu, me passou pra outra, que me passou para outra que finalmente me disse que eu teria qe fazer tudo de novo porque a data da entrevista deveria ter aparecido depois do meu Enter final e que se não apareceu é porque eu fiz algo de errado. Já era tarde e eu deixei para fazer no dia seguinte.

No dia seguinte fiz a mesma coisa e o mesmo problema aconteceu. Liguei novamente e depois de novos redirecionamentos da ligação, alguém me diz que os dias de entrevistas seriam em novembro e que era só aparecer lá, já que no site estava dando erro. (Custava ter me dito isso da primeira vez?)

Meses depois, finalmente chega o dia da entrevista. Haviam me pedido para levar o laudo comprovando a deficiência e eu prontamente tirei cópia e levei. Durante a entrevista uma professora de surdos me pediu desculpas pois a professora de cegos não estava, mas ia fazer a entrevista por ela. Perguntou com detalhes quais eram as questões do Gabi e que adpatações deveriam ser feitas. Fomos embora com a sensação de que ele passaria.

Em janeiro deste ano recebemos uma ligação confirmando a aprovação e pedindo nossa presença no dia seguinte (sem falta) com os documentos necessários, para a efetivação da matrícula.  Nenhuma outra instrução foi dada, apenas que levássemos os documentos. Era onze horas da manhã e eu teria que largar todo meu planejamento do dia para correr atrás dos documentos (já que eu só poderia efetivar a matrícula no dia seguinte). Me perguntei o que faz uma mulher que não pode mudar seu planejmento porque não tem uma agenda de trabalho tranqüila como a minha – ela perde a matrícula ou o dia de trabalho, claro.

No dia seguinte estávamos lá no Conservatório eu, Gabi e os mil documentos. Chegamos as 14:00 e a senhora da recepção não estava mais distribuindo senhas porque tinha muita gente. (Como se isso fosse problema de quem estava indo fazer matrícula). Mas como o Gabi era “especial” poderia entrar e não precisaria ficar na fila. Esta mesma senhora me levou ao local de matrícula junto com um outro senhor cego que também aguardava, sozinho, ser chamado para a matrícula. Enquanto passávamos pela fila senti olhares furiosos nos fuzilando (o Gabi tem deficiência mas não parece ter, então as pessoas não entendem porque não vêem nada de diferente). Esta senhora nos avisou: vocês tem que fazer matrícula com a D., somente com a D.

Cerca de 20 minutos depois alguém me chamou de dentro da sala (entupida de pessoas). Entramos lá e uma moça gentilmente veio fazer a matrícula. Eu avisei que a senhora lá da frente havia me pedido para fazer matrícula somente com a D. Essa D. estava do meu lado e disse que qualquer um poderia efetivar a matrícula. Entreguei os documentos e avisei que o Gabi era DV. Ela entendeu e me pediu novamente os documentos que eu entreguei no dia da entrevista (Perderam? Claro…) e como eu sou preparada, entreguei tudo de novo. Ela fez a matrícula, escolheu os professores e me disse que estava tudo certo, era só comparecer no primeiro dia de aula. Saímos e pude escutar alguém da fila dizendo para o filho: “Tá vendo, precisa ser “especial” pra ser atendido logo…” Ah, e o senhor que estava sozinho ficou lá, sabe-se lá quem iria se lembrar dele e chamar o próximo. E eu já tinha avisado umas três vezes que ele estava aguardando…

Duas semana depois eis que chega o primeiro dia de aula. Ele teria musicalização e depois a aula prática. Já na aula de musicalização, com 5 minutos de aula, a professora sai da sala e me explica que a apostila que ela trabalha não estava dando certo com ele pois ele não estava enxergando (De que adiantou mesmo os relatórios com laudo, a entrevista para saber as adaptações necessárias?). Pediu meu email para que me passasse o conteúdo e assim eu poderia providenciar as adpatações necessárias. (Mas perai, esse negócio do governo não tem que me fornecer o material já adaptado? Tem né, mas a gente sabe que não é isso que acontece, as mães já estão acostumadas a adaptar elas mesmas…) Terminando essa aula, fomos para a prática. A professora do Gabi era a professora de surdos e logo percebeu que haviam feito a matrícula dele errada. Nos levou na sala da professora de cegos e explicou. Esta nova professora, R., prontamente nos encaixou em seu horário e até aproveitou para encaixá-lo numa prática de grupo (só com cegos). Achei o máximo mesmo achando essa nova professora um tanto simpática demais, até mesmo bajuladora demais. E lá fomos para a secretaria passar os novos horários e explicar a confusão.

Chegando na secretaria, R. explicou tudo o que havia acontecido, aumentando mais ainda o grau de simpatia e bajulação (e foi ai que caiu minha ficha – serviço publico nego tem que bajular, elogiar e plantar bananeiras para que o outro faça aquilo que na verdade é sua obrigação) e logo escutou um “não dá, o sistema não deixa. Pq você não avisou que ele era DV na matrícula?“. Juro que minha vontade era de esganar um, mas com minha grande paciência avisei que isso tinha sido feito mas aparentemente o engano havia ocorrido da mesma forma. Depois de me olhar com aquela cara de “você está errada e agora não tem jeito”, virou para o colega e começou a conversar. Oi, e eu? … R. me olha e pede que eu aguarde uma vaga no horário dela. Isso poderia levar 6 meses, até mesmo um ano. Eu olhei bem séria pra ela e disse que não seria possível aguardar e que o Gabriel poderia perfeitamente continuar com a prof. de surdos até ela conseguir uma vaga (até pq eu tinha gostado mais dela mesmo). E assim voltamos para a sala e tocou o sinal. E o Gabriel não teve sua primeira aula.

Trocando em miúdos

Serviço público funciona? Claro que funciona. O problema não é o funcionar ou o não funcionar e sim o COMO funciona. Que o Gabriel terá aulas de teclado isso eu tenho certeza. Agora todo o estresse que se passa para que isso aconteça é que é demais. Imagina aquela pessoa que precisa do serviço público pra tudo na vida? E o pior, você não tem onde reclamar, não tem SAC, não pode sair dando piti dizendo que vai procurar o concorrente…

Agora a reflexão que eu proponho aqui é: adianta sair por ai dizendo que tudo é culpa do governo ou do político corrupto? Claro que muitos desses problemas acabam refletidos no dia-a-dia, mas tudo que eu vi ali foi uma porção de gente fazendo seu trabalho de qualquer jeito, cometendo uma série de erros, um atrás do outro, como se a população tivesse que agüentar pois não paga nada e está recebendo um “favor”. Queridos amigos: o problema é sempre a pessoa, aquela que está ali fazendo seu trabalho de qualquer jeito porque se acha mal paga, coitada, ou sei lá mais o que. Ao invés de lutar por seus direitos, faz o seu trabalho de qualquer jeito e prejudica uma outra pessoa que provavelmente luta pelos mesmos problemas que ela no seu trabalho. Então meu amigo, você que está ai pensando que é um coitado, um ferrado pelo sistema, acorda! Vai pensar em que responsabilidade você tem nisso tudo e nessa cadeia de porcaria que tem se tornado sua vida e a vida de quem depende de você.

Agora em relação as deficiências e o seus “direitos”, continua sendo difícil exigir aquilo que temos direito porque ficamos cansados e, se temos condições, preferimos pagar para não ter tanta dor de cabeça. Se eu fosse exigir o material adaptado, meu filho ficaria pelo menos 30 dias tendo aula sem material. Se eu fosse exigir a professora “correta”, ficaria de seis meses a um ano esperando a vaga. E por ai vai.

Vou viver um pouco mais dessa experiência e depois volto aqui para contar mais.

….

Anexo

Essa sou eu fazendo minha parte: http://www.sitiodainclusao.com.br/

Falarei mais sobre isso em um novo texto logo logo.

Meu Consultório

Por Aline Sieiro em 27/04/2008 20:42

Depois de muito tempo desejando, finalmente tenho meu próprio consultório. Pra quem não sabe, sou Psicólga e Psicanalista, e estou desde 2005 na luta que todo mundo passa no começo de carreira. Pois então, apresento a vocês agora meu consultório (na verdade só uma parte dele), que fica na Vila Mariana.

27-04-08_1735