Associação Livre

Não vamos transformar a violência em uma discussão de gêneros

Por Aline Sieiro em 10/03/2011 21:00

Inspiradas no dia internacional da mulher, blogueiras escreveram diversos textos sobre a violência sofrida por mulheres. Belos textos (Toda mulher tem uma história de horror para contar I e II) que contam um pouco pedaços de histórias e narrativas sobre violência. Toda mulher já deve ter passado por isso algum dia. Mas fiquei um pouco incomodada com a separação de gêneros nessa questão. E, apesar de concordar completamente com a discussão que se coloca no universo feminino, venho aqui falar um pouco sobre a violência masculina, para defender que violência não deveria ser combatida com a separação de gêneros.

 

“A violência é uma organização dos poderes da pessoa a fim de provar seu próprio poder, a fim de estabelecer o valor do eu (…) mas ai unir os diferentes elementos do eu, omite a racionalidade” – R. May

 

1. O ato violento na infância

Sabemos que as histórias de violência têm suas raízes ainda bem no começo da vida, nos primeiros anos de vida. Já nessa época, centenas de pessoas sofrem algum tipo de violência – desde o tapinha e gritos para educação, até algum tipo de abuso sexual por parte de pais e familiares.

Podemos dizer que as histórias de violência infantil são tão comuns que se tornaram corriqueiras a ponto de acontecer com uma certa aceitação social. Se presenciamos alguma cena que nos indique que a criança está sofrendo algum tipo de abuso, a nossa tendência é achar que estamos “vendo coisas” e que é preciso respeitar a indivudalidade de cada família e suas regras internas. Não é a toa que a grande maioria de casos de abuso sexual infantil, quando descobertos – já tardiamente, sempre vêm acompanhados de histórias em que a vítima contou e pediu ajuda mas não foi atendida. As histórias de violência sempre apresentam três personagens: a vítima, o agressor e a testemunha. Há sempre alguém que se cala.

Violências físicas e psicológicas estão presentes em grande parte das famílias, e parecem já instituidas, tão coladas as histórias familiares que as vezes parece impossivel interferir nessa realidade. Em seu livro sobre violência, Anamaria Neves nos conta um pouco sobre como a violência se apoia em algumas concepções sociais (sobre como deve ser a infância) e como certo grau de violência é socialmente e históricamente aceito. Esse tipo de violência, já tão cedo, foi e ainda é exercida com a cumplicidade de muitas instituições como igrejas, escolas e até mesmo o Estado. Ainda hoje podemos escutar histórias em que a violência familiar não pode ser impedida porque têm a cumplicidade de uma determinada religião e aceitação social.

Muitos pais agressores, quando participam de alguma intervenção psicológica, por vezes parecem vítimas de seu próprio comportamento agressivo e quando paramos para escutar essa história, percebemos que a violência infantil por vezes tem raízes na história familiar, de forma transgeracional.

 

2. Agressor já foi vítima

A violência infantil aparece nas histórias como uma estranha forma de amar. “Faço isso porque amo, para educar”. Desde pequena, a criança vai aprendendo um pouco mais sobre essa estranha maneira de amar. E quando adultos, tendem a reproduzir essa busca por amor à sua maneira. Violência e amor/desejo aparecem de uma forma tão colada, que parece ser impossível amar ou desejar sem atuar de forma violenta. Por essas e tantas outras razões, a maioria dos agressores de hoje foi a vítima de ontem.

É comum escutarmos de homens agressores, quando questionados sobre o porque da violência, que eles de fato acreditam que as mulheres “estavam pedindo, gostando”. Ficamos enojados com esse tipo de frase mas não paramos para escutar as raízes dessa crença, que em geral veio lá da história desse agressor. Afinal, frente a uma história de horror, é muito mais natural que usemos a dicotomia do bem contra o mal, porque é muito mais complicado tentarmos compreender um pouco tudo que está envolvido nesse horror. Ser agredido é terrível, mas encontrar na agressão a única forma de relacionamento com o outro também pode ser terrível. Se falhamos em olhar para esse agressor quando ele ainda era vítima, não podemos falhar duas vezes e negar seu direito de também ser olhado, cuidado, escutado – talvez pela primeira vez.

3. Violência sexual contra o homem

Sabemos o quanto as mulheres sofreram abusos e violência ao longo da história, e também sabemos que essa história aos poucos está mudando. As vítimas cada vez mais tem tido apoio suficiente para contar suas histórias e têm a oportunidade de exorcizar seus medos e seus horrores. Já algum tempo essas histórias são bem vindas, e a luta para mostrar que a culpa da violência não é da vítima deu essa oportunidade para muitas pessoas.

Mas quando falamos apenas da violência sofrida por mulheres, deixamos de lado as muitas histórias de violência contra o homem. Com histórias de horror, esses homens também têm muita dificuldade de contar e procurar justiça, já que sabemos o quanto a postura social machista impede certos comportamentos masculinos.

Quantas vezes ainda ouvimos que “homens devem sofrer calados” e que uma história de vítima “é coisa de viado”, ou ainda que o homem é forte, jamais teria como sofrer abusos de mulheres – ou de outros homens. Mas isso acontece muito mais do que imaginamos. E ao contrário das mulheres, os estudos sobre violência com vítimas masculinas é ínfimo, uma pesquisa superficial no google pode demonstrar isso. Presos em seus papéis sociais, homens também sofrem violência calados e têm muita dificuldade em procura ajuda.

4. Violência e discussão de Gêneros

Entendo e acho muito importante essa onda de proteção as vítimas femininas de violência. Mas acredito que esse contraponto é sempre necessário em qualquer discussão, já que a violência não é exclusividade de um gênero. Sabemos que homens, mulheres, transexuais e homossexuais sofrem todo tipo de violência o tempo todo. Devemos incentivar as vítimas a denunciar e contar suas histórias, sempre. E não podemos congelar a imagem do agressor como alguém do sexo masculino. Como vimos, pessoas que tem uma imagem social de delicadeza e sensibilidade (mães, por exemplo) podem facilmente se encaixar no perfil de agressores, assim como os mais terríveis agressores já podem ter sido vítimas de terríveis violências.

 

“Encontrei hoje em ruas, separadamente, dois amigos meus que se haviam zangado um com o outro.Cada um me contou a narrativa de por que se haviam zangado. Cada um me disse a verdade. Cada um me contou suas razões. Ambos tinham razão. Ambos tinham toda razão. Não é que um via uma coisa e outro outra, ou que um via um lado das coisas e outro um lado diferente. Não: cada um via as coisas exatamente como se haviam passado, cada um as via com um critério idêntico ao do outro, mas cada um via uma coisa diferente, e cada um, portanto, tinha razão. Fiquei confuso desta dupla existência da verdade.” – Fernando Pessoa

Comentários

  1. Aline, faço parte do coletivo das Blogueiras Feministas. E discordo de você, acho sim que violência é uma questão de gênero. Porque há crimes que afligem especificamente mais mulheres e há crimes que afligem especificamente mais homens. E isso ocorre sim por uma questão de gênero. Mulheres estão mais suscetíveis a violência doméstica, em que a pessoa convive diariamente com o agressor, então para isso é preciso fazer leis específicas como a Lei Maria da Penha.
    Os homens são as maiores vítimas de crimes com arma de fogo. Isso acontece em parte porque há a cultura de que a mulher é posse do homem, o que torna as chances de uma mulher sofrer violência de um companheiro ou da família maiores.
    Então, acho importante que no dia da mulher a gente possa chamar mais atenção para a violência diária que a mulher sofre e que muitas vezes o homem não sofre, pois ele não precisa andar em plena luz do dia com medo de ser estuprado.

  2. Só lembrando que é óbvio que toda violência é ruim. Mas a violência deve ser combatida dentro de suas desigualdades e casos específicos. E isso inclui observar que há crimes que diferem em quantidade e em vítimas pela questão de gênero.

  3. Lembro a Srta. Bia do recente caso da funkeira Verônica Costa, que torturou o próprio marido e não foi enquadrada em nenhuma lei específica de abuso. Sobre o tema, existe ainda o livro “Abused Men: The Hidden Side of Domestic Violence”, de Philip Cook. Como mencionado acima, o homem também é vítima do machismo, pois normalmente não tem coragem de procurar ajuda quando sofre violência doméstica.
    A violência sexual contra o homem pode não ocorrer tanto em assaltos, mas é muito frequente em presídios masculinos e em cenários de guerra (como no Congo). Entre crianças, meninos são tão submetidos a abusos sexuais quanto meninas.
    De um século para cá, nenhum grupo conquistou tantos direitos quanto as mulheres. Só não conseguiram mais por causa das feministas.

  4. Olá Aline!

    Discutir uma sociedade igualitária perpassa por considerar que todos estão expostos às mesmas contingências, independe das questões de gênero. Vale lembrar que num universo que se modifica à velocidade da luz, pensar que somente as mulheres sofrem com a violência e que apenas estas são discriminadas quando expõem a situação é uma forma arcaica e que não reflete em nada o nosso cotidiano. Parabéns pelo pondo de vista!!

  5. A questão do gênero a muito tempo não vem sustentando as discussões que as novas configurações sociais propõem. Temos muitos novos problemas que partem principalmente dessa dicotomia entre o feminino e o masculino. Por isso acredito que embasar qualquer discussão na diferença de gêneros, pura e simplesmente, é sempre reducionista.

    Mas, como falei, entendo a necessidade desse movimento na história, e entendendo perfeitamente a intenção nos textos acima citados. Meu texto não pretende invalidar nenhum deles, pelo contrário, só há um desejo de ampliar a discussão: a violência para além dos gêneros. Não é necessário relembrar que essa divisão de gêneros não dá mais conta do recado, uma vez que há muito de feminino no masculino, e vice versa. E por ai vai…

  6. Texto muito prudente, Aline! E muito bem escrito.
    Eu sou “uma das blogueiras” que tomou cuidado pra não cair na lenga-lenga.
    Que fosse o dia do feminino.

  7. Aline,
    Como clínico, aprendi a ver todo sofrimento como único, sem fazer qualquer juízo de valor a este ou aquele grupo. Se a violência é um fenômeno universal e atemporal, intrínseco à natureza humana, não se pode pensar em lhe conferir um peso e duas medidas. Quanto ao gênero, acredito que a diferença de tratamento dado às vítimas de violência tem mais a ver com política do que com psicologia.

  8. Vladimir, o caso da funkeira Veronica Costa entra exatamente no fato de ser um caso raro. Ele não precisa de toda um arcabouço jurídico que o proteja. Ele é homem, tem privilégios sociais, não depende financeiramente da esposa e com certeza o caso será levado como crime.

    O caso da violência doméstica feminina é diferente, pois a violência contra a mulher é historicamente aceita. É aceito socialmente que um homem seja dono de sua esposa. Há mecanismos psicológicos e financeiros, além dos filhos, que prendem essa mulher a um homem violento. Para o homem é muito mais fácil socialmente sair de casa, abandonar os filhos, não há nenhuma penalidade para isso.

    Defendo sim que a violência seja tratada dentro de suas desigualdades, mulheres, homens, crianças, idosos, homossexuais e negros tem diferenças quanto aos crimes que sofrem, são diferenças construídas historicamente. Não se trata apenas de uma dicotomia de gênero, mas a Lei Maria da Penha iguala a mulher diante do marido violento.

    Não estou dizendo que homens não sofrem violência doméstica. Estou dizendo que as mulheres são as maiores vítimas de violência doméstica e numa sociedade machistas, não tem os mesmos privilégios sociais que os homens para sair desse ciclo de violência. Da mesma maneira que as crianças também precisam de uma legislação específica para ter seus direitos resguardados. Nos tornamos uma sociedade mais justa e igualitária quando igualamos nossas desigualdades, uma das formas de fazer isso é por meio de leis.

  9. só faltou dizer que quem violenta mulheres quase sempre é homem, e quem violenta homens quase sempre é homem TAMBEM. e que enquanto determinados crimes sao motivados por dinheiro (muitos homens sao mortos em confrontos entre policia e traficantes, por exemplo), outros sao motivados pelo machismo. então é obvio que isso tem a ver com gênero, com a forma com que homens e mulheres são educados.

Enviar um Comentário