Associação Livre

Arquivo para a Categoria: Educação

O balé e a questão dos gêneros

Por Aline Sieiro em 30/11/2015 16:05

Estive em um evento organizado por uma escola de dança da minha cidade. Foram vinte e cinco apresentações de balé, jazz e outras danças que fazem parte da tradição de muitos meninos e meninas na infância. Eu e Anna (que nunca nos identificamos com o balé) não conseguíamos deixar de nos questionar sobre os diversos aspectos da educação do balé nas nossas infâncias. Na minha época, por exemplo, para fazer jazz ou alguma aula de dança moderna, as crianças eram obrigadas a cursar balé como pré-requisito para cursar outras modalidades. A desculpa para essa obrigação se pautava na premissa de que o balé insere as bases sobre postura, relação com o corpo e sobre teorias básicas da dança que serão necessárias para qualquer outra dança. Sei que essa premissa ainda é forte porque, recentemente, ouvi uma professora de dança da UFU questionando essa maneira de ensinar a dança na atualidade. Ela defendia a possibilidade do ensino da dança a partir de diferentes premissas sobre a relação com o corpo, não necessariamente a partir da tradição do balé. De qualquer maneira, o que foi ficando evidente, a cada dança que acontecia no evento, era que o tradicionalismo não estava somente na ideia de educação do balé, mas sobre o que essa perspectiva de ensino entende sobre corpo e sexualidade.

Preocupadas com as questões de sofrimento de gênero na infância, nos questionamos: Por que a função do bailarino (quase sempre) é ser “aparador” da bailarina? Por que todas as bailarinas são meninas? Por que todos os bailarinos são meninos? Para tentar elaborar respostas possíveis, peço para vocês me acompanharem no raciocínio abaixo, com ajuda da tabela.

12033036_1752147651679504_4835331892621270233_n

 

A criança está no tempo de constituição da sua relação com o seu corpo. A maneira como cada criança vai lidar com seu corpo e sua sexualidade não é dada, não nasce como uma verdade, um saber pronto. A única coisa que nasce com cada criança são suas marcas genitais, ou seja, o corpo biológico (que obviamente marcam uma diferença e impossibilidade, mas que nada dizem sobre a invenção que cada pessoa vai precisar construir sobre esse corpo-organismo em funcionamento).

Se a criança está em pleno processo de invenção da sua relação com o seu corpo, esse tempo é bastante influenciado pelo seu contato com o social, ou seja, todos os discursos sobre corpo e sexualidade que a antecedem. Desta forma, os adultos que estão no entorno de uma criança contribuem direta e indiretamente para as diversas maneiras que uma criança pode ou não circular na descoberta de seu próprio corpo e sexualidade. A questão vem sendo o fato de que, tradicionalmente, não é permitido que a criança de fato circule e faça invenções. Já são oferecidos a elas papéis claros sobre o que é esperado, sobre quem deve ser a bailarina e sobre como deve ser o bailarino. Para algumas crianças, tudo isso funciona muito bem; mas para outras crianças, a exigência de uma resposta fixa e precoce sobre esses papéis produzem sofrimentos psíquicos intensos.

Voltando ao quadro, uma criança que está no tempo de encontrar uma identificação de gênero para si, não necessariamente vai desenvolver expressões de gênero combinadas. Uma criança pode se reconhecer como menina e ter comportamentos de menino; pode ainda se reconhecer como menino e ter comportamentos de menina (e ainda não estamos falando da combinação disso com os genitais). Assim, (1) é possível que um menino possa ter o desejo de ser a bailarina, sem ter comportamentos femininos? (2) É possível que uma menina possa ter o desejo de ser o bailarino, sem ter comportamentos masculinos? (3) É possível que um menino com comportamentos femininos, possa ter o desejo de ser bailarino? (4) Ou bailarina? (5) E o mesmo para a menina? Como vocês podem perceber, os desdobramentos são diversos! E ainda estamos fazendo apenas o cruzamento entre as questões de identidade e expressão de gênero.

Se é possível que uma criança circule em diversos papéis identitários, podendo ser bailarina ou bailarino independente da sua sexualidade, porque insistimos em achar que essas questões serão o ponto de decisão sobre a sexualidade de uma criança?

Mas as questões não param por ai. Um menino que se identifica com a feminilidade, poderia ele também, ser bailarino ou bailarina, independentemente. O mesmo vale para a menina. (6) Poderíamos, ainda, ter um casal de bailarinos formados por dois homens ou duas mulheres, ainda marcados por uma diferença com relação a posição feminina e masculina.

E se quisermos complicar um pouco mais as questões, inserindo a sexualidade na questão, podemos ainda encontrar (7) um menino que se define como homossexual desejando ser o bailarino, e (8) a menina homossexual desejando ser, mesmo assim, a bailarina. As imagens atreladas aos gêneros também não são óbvias; (9) teremos homens gays que desejarão ser bailarinos ou bailarinas e (10) meninas lésbicas que desejarão ser bailarinas ou bailarinos. E, por ultimo, podendo ser bailarino ou bailarina, (11) observaremos bailarinos (meninos ou meninas) desejando dançar com seu similar e não com seu oposto.

A diversidade é tão grande que assusta muitos professores e adultos. Como lidar com tantas possibilidades? O fato é que continuamos não encarando essa realidade plural, de forma que em uma apresentação de duas horas e meia, com vinte e cinco danças, tudo por ali continua sendo tão… tradicional.

Eu e Anna saímos da apresentação entendendo porque largamos o balé tão cedo. Talvez ele não fosse tão aberto a nossos desejos do tempo de infância, marcando, para nós, a sensação de que ali não cabíamos… “Ah, mas se tivesse sido diferente, talvez ainda tivéssemos dançado!” Nunca vamos saber e nem importa mais, pois encontramos em outros lugares essa abertura para a construção da nossa relação com o corpo. Mas muitas crianças não encontram esses espaços. Como podemos pedir que professores permitam a transmissão dessa possibilidade de invenção para crianças quando eles mesmo ainda não criaram essa relação com o próprio corpo? Por onde começamos, então?

 

 

Indicação de filmes sobre o tema:

Romeus

Tomboy

Billy Eliot

Cinco gerações de mulheres em um jantar de família: histórias de horror sobre o assédio sexual

Por Aline Sieiro em 29/11/2015 00:26

silencio

Estava em um jantar de família com cinco gerações de mulheres: minha avó, minha mãe, minha madrasta e minha prima mais nova. Conversávamos sobre as diversas experiências de assédio que vivemos durante a vida e chegamos a uma triste conclusão: parece que o que foi vivido por minha avó ainda é a mesma realidade vivida pela minha prima. Em relação ao assédio, parece que nada mudou. Compartilhamos narrativas e histórias de homens que, diariamente, mostram seus pintos na rua, roçam seus membros no nossos corpos no metro, passam a mão um pouco a mais até na hora da tatuagem e do exame médico. As situações são tão cotidianas que nos acostumamos a conviver com os sentimentos de vergonha, humilhação e medo.

Outro dia escutei alguns homens dizendo que as mulheres estavam exagerando nas redes sociais; eles diziam que os relatos nas hashtags #primeiroassédio #meuamigosecreto estavam passando dos limites: “ninguém aguenta mais escutar esses mimimis”, eles diziam. Outros diziam que rede social não era lugar para esse tipo de história ou desabafo. Quero dizer para vocês, queridos homens, que se fossemos realmente contar todas as situações de assédio que já passamos, não ia ter rede social que desse conta das repetidas histórias que não cessam de se apresentar em nossas vidas todos os dias, há anos e anos. Se vocês estão cansados de ouvir algumas delas, imagine o quanto nós estamos cansadas de vivê-las; o quanto nos apavoramos quando, num jantar em família, percebemos que muitos anos se passaram e nada disso evoluiu. O machismo está ai para nos aterrorizar sim, todos os dias, quando temos medo de ir fazer xixi na universidade porque sabemos que estudantes de engenharia, medicina, filosofia (e vários outros cursos), ainda hoje, estupram colegas de sala em bandos; quando trabalhadores da construção civil ainda se sentem no direito de abaixar suas calças em plena luz do dia; quando o pai do amigo do seu filho fica te olhando com aquela cara nojenta de tesão enquanto mexe a língua, te comendo com os olhos, em público.

Eu acho é pouco esses relatos. E sei que ainda temos muito medo de dizer nomes, fazer denúncias, porque nunca temos como provar. Pior ainda é quando a retaliação vem das próprias mulheres e de nossos familiares. Até mesmo de alguns analistas que insistem em usar a máxima “somos sempre responsáveis pelos nossos sintomas” para fazer valer o ponto de que, sempre, a culpa é da vítima, se esquecendo que somos inseridos em uma relação direta com a cultura que nos antecede, de um machismo poderosíssimo e muito difícil de derrubar. Vitimismo, vocês podem pensar! Talvez. Algumas mulheres se posicionam mesmo nesse lugar, vivendo e se alimentando dessa devastação por anos e anos. Mas, infelizmente, muitas mulheres nunca tiveram possibilidade de construir outro lugar que não esse que sempre nos foi oferecido de bandeja, gerações após gerações, como o lugar de mulher. Então, eu acho é pouco mesmo a quantidade de narrativas de assédio. Porque quando falamos, fazemos o mal estar surgir e tentamos finalmente sair da posição de vítimas, possivelmente nos tornando agentes de alguma mudança. A idéia é mais ou menos assim: ou vocês encaram o mal estar junto com a gente, para podermos mudar alguma coisa nos próximos anos, ou tudo vai continuar sempre sendo apenas histórias silenciadas, segredos de mulheres em seus jantares de família.

O que a literatura contemporânea nos ensina sobre as crianças de hoje?

Por Aline Sieiro em 19/07/2013 17:55

Terceira Reunião Aberta do GECLIPS que aconteceu em Junho.

Convidadas: Profa. Doris Carneiro e Mestranda Lilian Lima Maciel

O áudio começa com a fala da Profa. Doris que comenta sobre seu livro A Cidade Faz de Conta. A partir do minuto 25:25 a fala da Lilian é sobre a crítica a literatura infantil e a obra de Lygia Bonjuga.

www.facebook.com/geclipspsicanalise

Primeira Reunião Aberta do GECLIPS – Expressão artística e o universo da imaginação na infância

Por Aline Sieiro em 20/03/2013 01:42

Convidados:

Prof. Paulo Lima Buenoz

Profa. Silvia Maria Cintra Silva

Prof. João Luiz Leitão Paravidini (GECLIPS)

 

www.facebook.com/geclipspsicanalise

 

O fracasso da inclusão

Por Aline Sieiro em 26/09/2012 01:48

Vivemos a época de uma infância marcada por problemas de aprendizagens e de uma sociedade marcada pelo desejo de inclusão. Bom, quanto a isso, posso apenas afirmar que o processo de inclusão, assim como o da educação, está fadado ao fracasso. Porque há sujeito.

Enquanto todos correm para fazer cursos de psicopedagogia ou quaisquer outros cursos que busquem adaptações para os indivíduos, esses mesmo indivíduos se antecipam a criam novos sintomas (novas dificuldades de aprendizagem, rejeições aos objetos facilitadores da tal inclusão, etc). Assim, os doutores na arte da adaptação (em busca de uma “qualidade de vida) ficam loucos e sentam novamente em seus bancos acadêmicos para entender porque tudo isso falha, na esperança de criar novas fórmulas adaptativas e funcionais para esses “errantes”. Chega  a ser uma linda batalha, se não fosse trágica.

Qual erro insistimos em cometer? A psicanálise já repetiu tanto essa resposta… Desde Descartes (e antes) cometemos o mesmo erro: não dar voz ao sujeito. Quantos anos de pesquisas inutilizadas para compreender que o sujeito fala com seu sintoma, com sua recusa a adaptações, com sua dificuldade de aprendizagem? E acho que ao longo dos anos os fracassos ficaram gritantes: esses sujeitos não estão satisfeitos. E no final das contas ninguém está.

“Para a psicanálise, o sujeito está, por principio, implicado em todo ato. Por sinal, como todo aquele que consulta desconhece essa implicação, visa-se no inicio criar condições para que o sujeito se interrogue sobre as causas daqueles episódios que tonto o incomodam” (Lajonquiere). Essa pretensão de alguns educadores e membros da sociedade em achar que podem vir a saber sobre a singularidade subjetiva de uma pessoa (aluno, deficiente, etc) a partir de si mesmo está obviamente fadada ao fracasso!

Charles Melman já falava disso quando escreveu que o primeiro problema quando se fala de educação de crianças é o lugar em que nos colocamos. Cada um de nós recebeu um tipo de educação, e por isso já temos conceitos formados sobre o que é melhor ou não, o que funciona e o que não funciona. Quando trocamos de lugar e passamos ser os responsáveis pela educação de outros, deixamos de lado a criança de hoje, colocando nossas queixas e reinvindicações e fórmulas em primeiro lugar. O mesmo vale para o deficiente, já que a inclusão prevê a criação de diversos mecanismos e aparelhagens para que ele fique menos “prejudicado” e possa seguir “na mesma condição que as outros”. Um ideal impossível esse, seja deficiente ou não. Estar em mesmas condições, quando isso é realidade para qualquer pessoa??

Nesse sentido, a melhor educação é a que fracassa. Melman já dizia isso porque acreditava que toda educação tende a colocar o mesmo ponto de vista em todas as crianças, e tem a pretensão de formar cidadãos iguais. A inclusão repete a mesma bobagem. Partindo do ponto de vista do sujeito da psicanálise, um sujeito único, com direito de escolha, talvez faça mesmo parte da constituição do sujeito viver contra e a favor da educação que recebeu, pelo resto de sua vida. Quando esse sujeito, a sua maneira, fracassa, está de alguma maneira se apresentando como sujeito. Está se recusando a repetir, e nós assistimos aos milhares de sintomas que aparecem todos os dias no âmbito escolar.

“Só podemos concluir que o investimento narcísico na infância, ou a ilusão da criança-esperança, é uma invenção sintomal da modernidade, então, não é casual que a pedagogia hegemônica atual se articule em torno a uma louca exigência, qual seja, demandar à criança que venha de fato a concretizar sem resto nenhum um ideal de completude e bem-estar. Estamos diante de uma fatalidade e, assim sendo, os educadores de hoje estão condenados à lamentação pela suposta ineficácia profissional, uma vez que a educação das crianças não poderia não estar tomada senão por um voto narcísico” (Lajonquiere)

No final das contas, esse discurso social, a partir da educação e da inclusão, sustenta uma proposta que enfatiza a preocupação com a inclusão, mas o que opera é um agrupamento que novamente resulta em crianças e deficientes na posição de objeto. O discurso educacional é pró-inclusão mas o desejo manifesto ainda é de “normalização”, atuando na perspectiva de “curar” algo que falta no desenvolvimento das crianças. Essas práticas normalizantes tratam as pessoas como objetos, e partir de uma norma que é externa a elas. Resultado: fracasso, claro. Aceitar permanecer como objeto no mínimo resulta em certos adoecimentos.

Alguns, como sujeitos, rejeitam. Não aprendem. Não se adaptam. Algo sempre falha. E ao rejeitar aquilo que lhes é oferecido, um mal estar surge e transborda para todos os lado. Certos de que o que oferecem é fundamental para a evolução da criança, os adultos passam a apontar uma série de problemas, como se eles pudessem explicar ou justificar o porquê da recusa. Só não param para pensar que nessa lógica a criança fica em posição de objeto, permanecem alienadas ao desejo do Outro, que dita o lugar que elas devem ocupar, o que devem aceitar e utilizar para se constituir. Se por um lado podem ficar presas nesse lugar de perda ao negar as ofertas de ajuda, ao não aceitar aquilo que lhes é oferecido, esse movimento pode apontar algo de um desejo, de um posicionamento particular em relação ao lugar que lhe é estabelecido dentro da rede de relações sociais e familiares. Ao recusar ocupar esse lugar, algo se desloca dentre de uma lógica em que essa criança está inserida.

Se a recusa acontece pelo desejo de não ocupar um lugar dentro de um grupo (crianças com problemas de aprendizagem, crianças deficientes, etc) e se constituir de forma singular, ou pelo desejo de não aceitar o lugar já estabelecido no âmbito familiar e social, o fato é que já existem muitos lugares fabricados pelo discurso social para essas crianças. A escuta psicanalítica nos permite tomar o fracasso dessas crianças como uma tentativa de implicação subjetiva. Há fracasso porque há sujeito. Então que a inclusão e a educação continuem fracassando.

 

A certeza delirante

Por Aline Sieiro em 25/08/2011 17:08

” A ignorância nunca me fez falta ” ( Clarice Lispector )

Já fizeram o ato de recortar frases que uma vez foram ditas e escritas dentro de um contexto, e depois utilizá-las de modo a servir um interesse, uma mensagem pessoal endereçada a um outro? Essa semana uma mensagem me foi endereçada dessa forma. E me fez logo pensar em outra frase e em todo um texto para explicar essa briga de frases.

Fiquei me perguntando de qual contexto saiu o dito da Lispector. Porque, pensando ela dentro de uma mensagem que me foi endereçada, ou seja, para pensar a Psicanálise e seu lugar como ciência e prática, terei que discordar da afirmação. Aliás, para a Psicanálise é fundamental que se duvide, ou seja, que possamos olhar o mundo e os fenômenos podendo duvidar do que está tão claro e certo, e de que é possível criar uma verdade absoluta para todas as coisas.

“… a análise só pode encontrar sua medida nas vias de uma douta ignorância. Do lado do analista, também convém considerá-la, mas aí ela deve ser somente concebida enquanto a “ignorância douta, o que não quer dizer sábia, mas formal, e que pode ser, para o sujeito, formadora” Lacan.

Lacan nos ensinou que um dos grandes desafios do analista é atuar nessa posição de uma douta ignorância. Estudamos muito sim, mas quando estamos com um paciente, é preciso deixar esse conhecimento de lado para olhar a singularidade de quem chega em nosso consultório. Se já recebemos o paciente cheios de certezas, com a lista pronta só aguardando um enquadramento, não será possível escutar o que ele tem a nos dizer, e assim poder entender um pouco da lógica de funcionamento daquele sujeito e de sua verdade particular. É um exercício constante, para o Psicanalista, desse papel de douta ignorância. Mas, para ficar minimamente confortável nessa posição, o próprio analista deve ter passado por sua análise pessoal, de forma a ter tido tempo e disposição de lidar com suas próprias verdades e certezas absolutas e se desprender delas.

Só o psicótico tem tanta certeza sobre tudo. Só ele porta a verdade universal. O psicótico não supõe o saber ao outro, ele tem uma certeza, o psicótico é um sujeito de certeza, o psicótico não está aberto à significação fálica, não duvida de nada. A metáfora delirante é uma tentativa de dar sentido ao que está fora do sentido, por isso existem as construções delirantes que no entanto, no seu limite, têm um ponto nodal, que é fora do sentido.

Assim, posso afirmar que no campo psicanaítico sustentamos uma certa ignorância sim. E isso tem aparecido inclusive em toda essa questão sobre a posição da profissão do Psicanalista e sua suposta regulamentação. Não é possível sustentar  um curso que dê conta, em um tempo pré-determinado, de formar psicanalistas, como se todos passasem por uma máquina e em pequenas formas deixasse os alunos prontinhos para ter sua carteirinha, seu registro e atender. Oras, isso sim é ignorância. Me espanta essa tentativa de transformar a Psicanálise e seu campo em uma verdade Absoluta, como se ela fosse a verdade pura. E para isso, bastaria nos matricular nesse “curso”, e no final nós não só saberemos da verdade, como poderemos transmiti-la. Isso está parecendo tanto com o discurso religioso, não?

Base da psicanálise: Não existe verdade absoluta, não existe um saber universal, e talvez essas sejam nossas únicas certezas. Podemos começar a construir algo em cima disso? Claro! Mas não para produzir novas verdades Absolutas. Elas serão sempre provisórias…

“A psicanálise é uma experiência que, ao contrário de hipnotizar o sujeito, visa revelar aquilo que já o hipnotiza desde sempre, desde sua própria constituição. A alienação, por ser um “fato mesmo do sujeito”, segundo Lacan, ou seja, estruturante, nem por isso deixa de ser alienação. O despertar em jogo na análise indica, por sua vez, o caminho da separação.” Marco Antonio Coutinho Jorge


Jornal Significantes

Por Aline Sieiro em 20/07/2011 00:42

Apresento o meu mais novo projeto: O Jornal Significantes. Ele surgiu e foi desenvolvido junto com meus colegas, alunos do Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia. Como todo novo projeto, ainda está em desenvolvimento. Espero que gostem.

Ele está disponível aqui: http://jornalsignificantes.tumblr.com/

Se quiser receber por email, envie um email para jornalsignificantes@gmail.com que nós enviaremos.

(Aproveito para pedir desculpas pelo meu último post, que saiu bloqueado, com senha. Ele já foi liberado. Se tratava apenas de uma entrevista, vocês podem ver aqui: http://www.alinesieiro.com.br/2011/07/04/olha-o-que-eu-olho-perceber-e-conceber-criar/ )

Olha o que eu olho: perceber é conceber, criar.

Por Aline Sieiro em 04/07/2011 21:14

* Esta reportagem foi publicada no Jornal Significantes, em sua primeira edição (Maio/Junho 2011).

Por Aline Sieiro

A professora Anamaria me chamou atenção desde o primeiro dia em que a conheci, na minha entrevista de seleção do mestrado. Alguma coisa no seu jeito amável, na sua voz suave me deixaram tranqüila e ao mesmo tempo curiosa, instigada. Tempos depois, já na disciplina de Métodos de Pesquisa em Psicologia, no Mestrado, tivemos a oportunidade de ter duas semanas de aulas com ela. Me surpreendi com o jeito sedutor que ela apresentava a Psicanálise para alunos de diversas áreas. Achei de uma sensibilidade imensa a forma como ela apresentava o seu trabalho e a Psicanálise para todos nós.

Naqueles encontros, percebemos o valor que ela dá para a experiência e em como se envolver no que fazemos de forma a transformar e estar sempre criando e cultivando vínculos. Em certo momento, os alunos puderam compartilhar uma experiência de suas vidas, e toda a sala ficou muito emocionada com a oportunidade de produzir um momento de vínculo, reflexão e muita emoção.

Quando pensei na possibilidade de produzir uma entrevista para o Jornal, convidei algumas pessoas, mas a oportunidade de abrir este espaço com a fala da professora Anamaria fez muito sentido. Me parece importante conhecer um pouco mais de alguém que tem o desejo de nos incentivar e motivar para algo mais. Me parecia interessante também reparar nessa união que por vezes parece contraditória, entre uma pesquisadora tão sensível e um tema de pesquisa tão perturbador como é a violência. Como trabalhar com violência e ainda ser tão sensível aos outros, preocupada e atenciosa? Começo a acreditar que esse é o caminho, não tão contraditório assim…

Apresento aqui o áudio da entrevista. Como sempre, o tempo é curto e as perguntas são muitas, por isso deixamos vocês com gostinho de quero mais…

(Quem quiser o a versão online do Jornal – com a reportagem escrita – deixe um comentário com o email que eu envio. Ainda não estamos com o site do jornal ativo, aviso assim que estiver).

Podcast Episódio 08 – Blog Associação livre: Produção de texto na internet

Por Aline Sieiro em 24/06/2011 16:57

Demorei mas retornei. E volto logo com o audio de uma fala que fiz no curso de Tradução da Universidade Federal de Uberlândia, em que fui gentilmente convidada pela Profa. Cirlana. A temática era a produção de texto, e no meu caso fui convidada para falar sobre a produção de textos para a internet. Espero que gostem de escutar um pouco da história do meu blog e de como acontece a produção das escritas do meu texto.

Links de textos comentados durante o podcast:

Música do Podcast: B.W.O.J. – The D.O.

Bin Laden morreu 4000 mil vezes por segundo no twitter – Informação, opinião e fala vazia

Por Aline Sieiro em 11/05/2011 23:34

No dia da morte de Bin Laden, o twitter registou mais de 4000 tweets por segundo sobre o assunto. Na minha timeline do twitter não foi diferente: piadas, comentários, links para notícias e posts sobre o tema e tudo mais que possamos imaginar. E no dia seguinte os posts em blogs pessoais pipocavam. Irritada, comentei sobre isso no twitter, e acharam que eu não estava sendo sensível com um momento histórico: “oras, essa informação não é apenas mais uma notícia do dia, é a história acontecendo”.

Me expliquei um pouco, mas naquele momento me calei. Em geral, quando estamos bravos com alguma coisa, não conseguimos explicar com clareza o que queremos dizer. Mas agora, depois de um tempo refletindo, tenho mais clareza sobre minha crítica e porque ela aconteceu.

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que a história está acontecendo todo dia, o tempo todo. Portanto, dizer que uma notícia deve ser falada até o exagero porque se trata da história acontecendo é apenas uma desculpa para falar quando não se tem o que dizer. O que você quer pontuar quando fala o tempo inteiro, ou melhor, repassa o tempo inteiro uma notícia de algo que está acontecendo agora? Que você está em dia com a informação? Que você é conectado? Que você marca a importância do momento? Dúvida: o importante é você marcar que o momento é importante ou mostrar para todo mundo que você marcou a importância do momento? Me parece que esse exagero em repassar a notícia pende para o mostrar que você está em dia e ciente, mais do que realmente parar para entender o que a tal notícia reflete em você e na sua vida…

Em segundo lugar, lendo o texto de Bondía, intitulado Notas sobre a experiência e o saber de experiência, encontrei alguém que explica tudo isso muito melhor do que eu poderia escrever nesse momento. Apresento alguns trechos para vocês:

Em primeiro lugar pelo excesso de informação: A informação não é experiência. E mais, a informação não deixa lugar para a experiência, ela é quase o contrário da experiência, quase uma antiexperiência. Por isso a ênfase contemporânea na informação, em estar informados, e toda a retórica destinada a constituir- nos como sujeitos informantes e informados; a informação não faz outra coisa que cancelar nossas possibilidades de experiência. O sujeito da informação sabe muitas coisas, passa seu tempo buscando informação, o que mais o preocupa é não ter bastante informação; cada vez sabe mais, cada vez está melhor informado, porém, com essa obsessão pela informação e pelo saber (mas saber não no sentido de “sabedoria”, mas no sentido de “estar informado”), o que consegue é que nada lhe aconteça. A primeira coisa que gostaria de dizer sobre a experiência é que é necessário separá-la da informação. (…) Como se o conhecimento se desse sob a forma de informação, e como se aprender não fosse outra coisa que não adquirir e processar informação.

 

Em segundo lugar, a experiência é cada vez mais rara por excesso de opinião. O sujeito moderno é um sujeito informado que, além disso, opina. É alguém que tem uma opinião supostamente pessoal e supostamente própria e, às vezes, supostamente crítica sobre tudo o que se passa, sobre tudo aquilo de que tem informação. Para nós, a opinião, como a informação, converteu-se em um imperativo. Em nossa arrogância, passamos a vida opinando sobre qualquer coisa sobre que nos sentimos informados. E se alguém não tem opinião, se não tem uma posição própria sobre o que se passa, se não tem um julgamento preparado sobre qualquer coisa que se lhe apresente, sente-se em falso, como se lhe faltasse algo essencial. E pensa que tem de ter uma opinião. Depois da informação, vem a opinião. No entanto, a obsessão pela opinião também anula nossas possibilidades de experiência, também faz com que nada nos aconteça.

 

Vamos agora ao sujeito da experiência. Esse sujeito que não é o sujeito da informação, da opinião, do trabalho, que não é o sujeito do saber, do julgar, do fazer, do poder, do querer. (…) o sujeito da experiência se define não por sua atividade, mas por sua passividade, por sua receptividade, por sua disponibilidade, por sua abertura. Trata-se, porém, de uma passividade anterior à oposição entre ativo e passivo, de uma passividade feita de paixão, de padecimento, de paciência, de atenção, como uma receptividade primeira, como uma disponi- bilidade fundamental, como uma abertura essencial.


Então, a reflexão que deixo é a seguinte: Será que vivemos a experiência de tudo aquilo que falamos, ou nossas falas são meras repetições dos ditos dos outros? O que temos a dizer quando falamos, quando escrevemos um texto e quando repassamos informações?