Associação Livre

A certeza delirante

Por Aline Sieiro em 25/08/2011 17:08

” A ignorância nunca me fez falta ” ( Clarice Lispector )

Já fizeram o ato de recortar frases que uma vez foram ditas e escritas dentro de um contexto, e depois utilizá-las de modo a servir um interesse, uma mensagem pessoal endereçada a um outro? Essa semana uma mensagem me foi endereçada dessa forma. E me fez logo pensar em outra frase e em todo um texto para explicar essa briga de frases.

Fiquei me perguntando de qual contexto saiu o dito da Lispector. Porque, pensando ela dentro de uma mensagem que me foi endereçada, ou seja, para pensar a Psicanálise e seu lugar como ciência e prática, terei que discordar da afirmação. Aliás, para a Psicanálise é fundamental que se duvide, ou seja, que possamos olhar o mundo e os fenômenos podendo duvidar do que está tão claro e certo, e de que é possível criar uma verdade absoluta para todas as coisas.

“… a análise só pode encontrar sua medida nas vias de uma douta ignorância. Do lado do analista, também convém considerá-la, mas aí ela deve ser somente concebida enquanto a “ignorância douta, o que não quer dizer sábia, mas formal, e que pode ser, para o sujeito, formadora” Lacan.

Lacan nos ensinou que um dos grandes desafios do analista é atuar nessa posição de uma douta ignorância. Estudamos muito sim, mas quando estamos com um paciente, é preciso deixar esse conhecimento de lado para olhar a singularidade de quem chega em nosso consultório. Se já recebemos o paciente cheios de certezas, com a lista pronta só aguardando um enquadramento, não será possível escutar o que ele tem a nos dizer, e assim poder entender um pouco da lógica de funcionamento daquele sujeito e de sua verdade particular. É um exercício constante, para o Psicanalista, desse papel de douta ignorância. Mas, para ficar minimamente confortável nessa posição, o próprio analista deve ter passado por sua análise pessoal, de forma a ter tido tempo e disposição de lidar com suas próprias verdades e certezas absolutas e se desprender delas.

Só o psicótico tem tanta certeza sobre tudo. Só ele porta a verdade universal. O psicótico não supõe o saber ao outro, ele tem uma certeza, o psicótico é um sujeito de certeza, o psicótico não está aberto à significação fálica, não duvida de nada. A metáfora delirante é uma tentativa de dar sentido ao que está fora do sentido, por isso existem as construções delirantes que no entanto, no seu limite, têm um ponto nodal, que é fora do sentido.

Assim, posso afirmar que no campo psicanaítico sustentamos uma certa ignorância sim. E isso tem aparecido inclusive em toda essa questão sobre a posição da profissão do Psicanalista e sua suposta regulamentação. Não é possível sustentar  um curso que dê conta, em um tempo pré-determinado, de formar psicanalistas, como se todos passasem por uma máquina e em pequenas formas deixasse os alunos prontinhos para ter sua carteirinha, seu registro e atender. Oras, isso sim é ignorância. Me espanta essa tentativa de transformar a Psicanálise e seu campo em uma verdade Absoluta, como se ela fosse a verdade pura. E para isso, bastaria nos matricular nesse “curso”, e no final nós não só saberemos da verdade, como poderemos transmiti-la. Isso está parecendo tanto com o discurso religioso, não?

Base da psicanálise: Não existe verdade absoluta, não existe um saber universal, e talvez essas sejam nossas únicas certezas. Podemos começar a construir algo em cima disso? Claro! Mas não para produzir novas verdades Absolutas. Elas serão sempre provisórias…

“A psicanálise é uma experiência que, ao contrário de hipnotizar o sujeito, visa revelar aquilo que já o hipnotiza desde sempre, desde sua própria constituição. A alienação, por ser um “fato mesmo do sujeito”, segundo Lacan, ou seja, estruturante, nem por isso deixa de ser alienação. O despertar em jogo na análise indica, por sua vez, o caminho da separação.” Marco Antonio Coutinho Jorge


Comentários

  1. Em primeiro lugar, uma pena a falta de atualizações no blog.
    Em segundo lugar, essa questão da ignorância douta. É incrível essa característica da práxis psicanalítica, onde o analista é convidado a, ao mesmo tempo, estudar sobre verdades provisórias que foram vistas e concluídas a partir de um recorte tempo e espaço e movimentar-se dentro das sessões de modo a questionar-se o tempo todo que realidade única é essa que surge e constitui (indo) cada sujeito. Não somente isso, o analista é convidado a ocupar o lugar de analisante e defrontar-se com suas certezas que estão para além do discurso comum. As marcas dessa articulação dentro dos atendimentos é algo que surpreende e algumas vezes assusta (no sentido de colocar-nos em cheque). Interessante falar justamente dos psicóticos, que em suas transferências avassaladoras, nos implicam dentro dos atendimentos.
    Sempre e em primeiro lugar a questão do por que assumir esses papéis, o que de gozo existe nessa assunção e o que é possível fazer a partir disso?

Enviar um Comentário