Associação Livre

Considerações sobre Internet e Alienação Pt. 1

Por Aline Sieiro em 29/07/2011 01:57

Parte 01

Escrever sobre Internet pelo viés da Psicanálise deixa a sensação de pisar em terreno pantanoso. Nomeio como pantanoso esse campo, esse (des)encontro, porque os psicanalistas que escrevem sobre esse tema parecem se posicionar numa escrita cuja perspectiva é negativa, apontando apenas os problemas. Mas me percebo neste lugar em que utilizo muitos recursos da internet e ao mesmo tempo estou imersa no campo da psicanálise clínica e teórica. A partir desse encontro de campos, me sinto instigada a pensar essas questões, pois acredito que não fazê-lo seria como ignorar um dos aspectos pontuais da atualidade. Jovens e crianças, a quem chamamos de “nativos” usuários da internet e da tecnologia vivem uma realidade que já pressupõe esses dois campos em suas vidas.

Muitos textos psicanalíticos falam das impossibilidades na Internet: são artigos diversos que teorizam sobre a alienação que a Internet promove. Nesse sentido, podemos pensar que a internet ocupa o lugar do Outro ao qual o sujeito permanece alienado? Se propomos uma análise sob o enfoque da experiência pessoal, tão singular quanto ela pode ser para cada sujeito, será que a internet é alienante para todos? Incentivada por essas questões, desejo problematizar a relação entre a alienação na  internet para, posteriormente, refletir sobre a possibilidade de um sujeito do desejo utilizador da Internet.

É importante destacar o lugar teórico de onde começo e que dá suporte a toda essa discussão. Parto de um pressuposto psicanalítico calcado na impossibilidade de um saber sobre tudo. Entendo que essa possibilidade de tudo ter e fazer que a nossa sociedade tecnológica vende pretende apenas tamponar uma falta, uma impossibilidade que é inerente a condição humana. Maria Rita Kehl (2003) nos alerta para os impasses no trato com a tecnologia:

 

“A velocidade vertiginosa em que novas tecnologias de mídia eletrônica são lançadas o mercado, cada qual com a pretensão de tornar obsoletas todas as anteriores, faz com que muitos teóricos dessa área considerem também obsoletos os conceitos utilizados para pensar a sociedade contemporânea. Não compartilho da crença nessa obsolescência dos conceitos. Por um lado, ela me parece um efeito de alienação: sentimos que nossos recursos críticos ficam obsoletos na medida em que a propaganda dos poderes da tecnologia faz com que acreditemos que cada nova invenção é realmente capaz de arrasar todo o passado e nos projetar em direção a um futuro absoluto. Nós, pensadores e críticos da sociedade contemporânea, somos também presas desse temor de nos tornarmos obsoletos, de ver as categorias do nosso pensamento ser ultrapassadas pela velocidade das inovações tecnológicas” (Kehl, 2003).

 

Destaco assim a importância de tomar a psicanálise como um conhecimento que não pretende produzir respostas a um certo positivismo e produtivismo social e tecnológico, até mesmo científico. Se me sustento em algum saber, é exatamente no não saber, na impossibilidade de produzir verdades absolutas. Portanto, não pretendo deixar de lado os conceitos fundamentais da psicanálise, que está longe de ser obselta. Pelo contrário, estes conceitos cada vez mais nos ajudam a acompanhar as mudanças sociais e refletir sobre os novos sintomas e novas formas de laço social. Este texto é apenas uma tentativa de circunscrever esse campo que é a Internet.


Continua…

Esse texto tem mais duas partes:

Parte 02

Parte 3

 

Comentários

    Enviar um Comentário