Associação Livre

Considerações sobre Internet e Alienação Pt3

Por Aline Sieiro em 04/08/2011 17:26
*Leia primeiro – Parte 01 e Parte 02

2. Constituição do sujeito: alienação e separação


Quando apontamos o caráter narcísico do sujeito que utiliza a Internet, falamos do narcisismo como um momento necessário na evolução da libido, antes que o sujeito se volte para um objeto externo. Essa tempo é responsável pela formação do “eu” (Freud,1914). Pensando o narcisismo como parte do processo de constituição do sujeito, vamos abordar os conceitos lacanianos de alienação e separação. A inclusão do conceito de alienação na teoria psicanalítica, que aconteceu a partir das teorizações de Lacan, tem importantes conseqüências teóricas e clínicas. Mas de que alienação tratamos?

Segundo Lima (2006), o termo é uma tradução habitual do alemão entfremdung, característico da filosofia de Hegel e Marx. Hegel o empregava para indicar o ato de estar alheio à consciência. Este “estar alheio” é uma fase do processo que vai da consciência à autoconsciência. Marx utiliza o conceito de alienação retomando a temática hegeliana da função do trabalho na passagem “do senhor e do escravo”. Para Hegel, o trabalho representa a expressão da liberdade reconquistada. Se o ser do senhor se descobre como dependente do ser do escravo, em compensação, o escravo, aprendendo a vencer a natureza, recupera de certa forma a liberdade. Marx critica a visão otimista do trabalho em Hegel e demonstra como o objeto produzido pelo trabalho surge como um ser estranho ao produtor, não mais lhe pertencendo: trata-se do fenômeno da alienação. Marx observa que a visão idealista de Hegel não considera a materialidade do trabalho, privilegiando a consciência. Para Marx, a propriedade privada produz a alienação do operário, seja porque ela cinde a relação do operário com o produto do seu trabalho (que pertence ao capitalista), seja porque o trabalho permanece exterior ao operário. Quando Lacan iniciou os trabalhos de releitura da obra freudiana, sua leitura era  perpassada pelo hegelianismo, principalmente nos primeiros Seminários. Mas o conceito lacaniano de alienação não é de um acidente ao qual o sujeito sobrevive ou que pode ser transposto, mas sim uma marca constitutiva essencial. O sujeito só se funda a partir de uma alienação fundamental, está alienado de si mesmo, não tem maneira de fugir dessa divisão. Lacan (1964) utiliza os termos alienação e separação referindo-se às operações lógicas de constituição do sujeito. Diante do desamparo originário, o bebê é completamente submetido a um outro, que será responsável não só pela satisfação de suas necessidades básicas como também pela sua constituição subjetiva. Essa dependência inicial que liga o sujeito ao outro constitui a alienação.

Segundo a formulação de Lacan (1960), a alienação é própria do sujeito; ele nasce por ação da linguagem:

 

“O lugar de Outro, que a mãe ocupa neste momento, oferece significantes, através da fala; o sujeito se submete a um dentre os vários significantes que lhe são oferecidos pela mãe. O seu ser não pode ser totalmente coberto pelo sentido dado pelo Outro: há sempre uma perda. Joga-se aí uma espécie de luta de vida e morte entre o ser e o sentido: se o sujeito escolhe o ser, perde o sentido, e se escolhe o sentido, perde o ser, e se produz a afânise, o desaparecimento do sujeito” (Bruder & Brauer, 2007).

 

Segundo Lacan (1964), a alienação reside na divisão do sujeito de sua causa. O Outro é o lugar de sua causa significante, razão pela qual nenhum sujeito pode ser causa de si mesmo. Quando bebês, somos totalmente dependentes de um outro para sobreviver. Chamamos isso de desamparo original. E é neste momento em que acontece o encontro com o Outro, encontro que produzirá as primeiras experiências de satisfação. É nesse momento também que o bebê deve se alienar a esse Outro para que possa se constituir. Mas, ao se submeter a essa alienação, perde algo de si, algo que fica perdido para sempre. Mas se não se permite a alienação, também perde a possibilidade de entrar no campo da linguagem.

Ao se alienar ao desejo do Outro, o bebê fica sujeito aos desejos e anseios destes que ocupam o lugar do Outro. A mãe e o pai enxergam no bebe aquilo que ele ainda não é, mas pode vir a ser. Essa possibilidade de construção que a mãe enxerga em seu bebê é o que pode dar a possibilidade de um futuro advento de um sujeito.

Já a separação, outro tempo fundamental neste processo, implica no fato de que todo esse processo de alienação deixa um resto, uma vez que o sujeito busca no Outro aquilo que lhe falta, aquilo que ele abdicou e perdeu para se tornar sujeito. É como se o Outro pudesse sempre complementar aquilo que falta ao sujeito. A separação só pode acontecer quando o sujeito percebe que o Outro também é faltante. O surgimento da falta no Outro remete o sujeito à própria falta, ou seja, à constatação da sua impossibilidade de completar o Outro. A operação de separação é marcada pelo confronto com a falta no Outro, e, posteriormente, quando o sujeito tenta construir, no fantasma, uma resposta à falta do Outro: “O que o Outro quer de mim?”. (Lacan, 1964)

 

Na separação, o sujeito irrompe na cadeia significante, e se destaca o objeto a. Essa operação de separação permite que o sujeito encontre um espaço entre os significantes onde irá se constituir seu desejo, no que seu desejo é desconhecido; o sujeito retorna então ao ponto inicial, que é o de sua falta como tal. Isso indica que alienação e separação não são “fases” estáticas, e mostra a oscilação permanente que se verifica no sujeito entre alienação e separação, como uma alternância sempre renovada.” (Bruder & Brauer, 2007).

 

Refletindo sobre o tema

 

Vivemos na chamada “Era da Internet”, um tempo em que tudo é possível (essa é a mensagem repassada todos os dias nas propagandas, nas revistas, nos programas de TV). Entre os usuários da rede, é comum escutarmos a seguinte brincadeira: Se não está no Google, não existe. Nessa linha de pensamento, para existir na atualidade é preciso estar presente na Internet, ou melhor, é preciso ser visto. As explosões de Redes Sociais podem ser indícios dessa necessidade de marcar presença. Mas precisamos escutar o que esses fenômenos querem nos dizer para além do preconceito que Lévy nos aponta.

Ainda sim, lembrando o processo de constituição subjetiva, é importante destacar que este processo implica um movimento do sujeito para fora de sua redoma narcísica ilusoriamente auto-suficiente em direção aos objetos do mundo, movimento esse provocado pela experiência de insuficiência de seus recursos imaginários. Ou seja, o sujeito deve romper com a posição de submetimento ao Outro. O processo de socialização é resultado dessa negociação do sujeito com a cultura. Se o sujeito é constituído pelo processo de alienação e separação, a separação significa o seu movimento em direção à realidade, ao social, em detrimento da satisfação alucinatória, onipotente, imaginária.

O que tem acontecido e tem sido muito exaltado pelos psicanalistas que escrevem sobre a Internet e seus efeitos nos sujeitos, é dimensão alienante e imaginária que a Internet intensifica, mostrando seus efeitos, por exemplo, no gozo da imagem, no amor a si mesmo, nas posições subjetivas de fazer-se, com seu narcisismo, de objeto de desejo do Outro, dando a impressão de não ter falta. No momento em que o sujeito deveria se movimentar em direção a realidade, ao social, ele se dirige para a Internet, e lá ele continua numa posição alienante, pois a Internet parece preencher o lugar do Outro completo, tamponando a falta e deixando o sujeito ainda em permanente alienação a esse Outro. A partir dessa relação, não consegue prosseguir no tempo da separação e portanto fica preso em seu tempo, não se constituindo um sujeito, não se apropriando e se responsabilizando de seu desejo.

Podemos perceber essa problemática na forma com as pessoas passam dias imersos Online, fascinados pelas possibilidades de laço social que ela permite, mas sem conseguir de fato construir esses laços. Essas pessoas estão conectadas a muitas outras pessoas, mas sofrem cada vez mais de sensação de isolamento, abandono e desamparo.

Minha proposta não é apenas de apontar essa problemática já tão bem articulada por alguns psicanalistas. Retomo Levy (1999) para dizer que é impossível regredir a uma realidade em que a Internet não se faz presente. Portanto é importante pensar que a experiência dos sujeitos com a Internet nem sempre é essa que apontamos. Estamos em um momento crucial de aceitação de uma realidade para a tentativa de subversão da posição subjetiva a que as pessoas tem se colocado, admiradas, enfeitiçadas pela forma como a Internet parece prometer muitas possibilidades. Existe um movimento de algumas pessoas na utilização da internet, com um objeto que pode trabalhar a favor de uma responsabilização subjetiva. Vimos a explosão dos Blogs, por exemplo, em uma tentativa de simbolização usada não apenas por jovens, mas também por Jornalistas, Políticos e muitos outros. Assim, me parece pertinente prosseguir em uma investigação que possa nos apresentar dados de experiências diversas na Internet, de pessoas que se colocam não apenas como usuárias e consumidoras de todo um esquema social, e sim de uma ferramenta que pode trabalhar a favor da causa do sujeito.

Se hoje a Internet faz parte dos avanços tecnológicos como um meio de comunicação totalmente inserido na organização social, talvez também seja o momento de se apropriar dela como ferramenta, como algo que podemos utilizar para outros fins.  Se a Internet transformou a realidade, novos estudos se fazem necessários para a transformação de um sujeito receptor (usuário, consumidor, alienado) em um sujeito que é produtor de uma comunicação singular, processo que o caracteriza como sujeito, de fato.

 

Comentários

  1. Oi Aline,
    Encontrei seu blog essa semana enquanto procurava artigos sobre a neurose obsessiva feminina. Adorei os textos que li e este sobre a Internet em especial! Era um dos possíveis objetos de pesquisa para uma monografia que estou fazendo. É o primeiro texto que não “condena” a internet e procura entender melhor como funciona essa relação. Obrigada por compartilhar!
    Fábia

Enviar um Comentário