Associação Livre

As mulheres médicas em 1907

Por Aline Sieiro em 20/01/2017 20:27

Na reunião de 15 de maio de 1907, os primeiros psicanalistas discutiram sobre o artigo de Wittels intitulado “As mulheres médicas”. Eu falei sobre Wittels no meu último texto sobre as atas, estão lembrados? Wittels era um jovem curioso, na falta de outro adjetivo mais preciso.

Fritz Wittels entrou para as reuniões de Psicanálise das quartas-feiras a partir de um interesse pela psicanálise freudiana. Participou durante um ano e começou a atender em seu consultório particular. Não muito tempo depois, por não ter sucedido nessa empreitada, em 1910, foi trabalhar em um sanatório particular e trabalhou durante 15 anos como médico em uma ala psiquiátrica. Nessa mesma época, escrevia muitos romances e os publicava. Em 1919 ele enfrentou uma análise didática e em seguida publicou uma espécie de biografia de Freud, que não ficou satisfeito e pediu correções. Em 1927 foi admitido na IPA. Em 1932 se mudou para os Estados Unidos e passou a fazer parte da Sociedade Americana de Psicanálise. Republicou a biografia corrigida de Freud e passou também a escrever vários textos sobre a técnica psicanalítica. Freud não gostou da republicação da biografia e por vezes acreditava em um certo oportunismo do seu colega de psicanálise.

Enfim, esse jovem Wittels, entre 1907 e 1908, apresentava textos nas reuniões de quarta-feira, textos no mínimo duvidosos. Em geral sobre as mulheres e o lugar das mulheres na sociedade. Ele levava a sério “o chamado da menstruação”, e quase todos os seus textos da época eram em torno dessa hipótese e as consequências dessas “traições” por parte das mulheres que não aceitavam seu chamado. Na reunião de 15 de maio, Wittels falava sobre as mulheres médicas. Na época, as primeiras turmas no curso de medicina haviam aceitado mulheres como estudantes e Wittels defendia, no artigo que apresentou ao grupo de analistas, que profissão de mulheres era a pedagogia. Para ele, a mulher que escolhia pela medicina era histérica e fazia isso por sua capacidade de ser imoral sem culpa, desenvolvendo um bom desempenho como estudante de medicina. Segundo seu texto, a ideia da existência de mulheres médicas era um absurdo, pois uma mulher jamais entenderia os mistérios de um homem e jamais teria condições de assumir cargos na saúde pública, já que sempre abusaria de sua posição em benefício próprio. Wittels concluiu seu texto afirmando que o desejo pelo estudo da medicina era apenas um sintoma de histeria, uma supressão do verdadeiro desejo de uma mulher.

Federn, o primeiro a comentar sobre o texto, diz que Wittels cometo o erro de acreditar que apenas as mulheres seriam capazes de perverter a função da medicina. Ele lembra que muitos homens já usavam suas posições como médico para abusar de pacientes mulheres e que a perversão não é uma característica específica do feminino.

Graf diz a Wittels que ele apenas está com raiva das mulheres que preferem estudar a transar com ele. Hitschmann acredita que o desejo das mulheres de estudar não é histeria e sim uma cura para ela. No entanto, questiona o motivo pelo qual todas as mulheres médicas parecem ser feias e ter seios pequenos. Ele afirma que o princípio feminino é ter filhos, mas que isso é algo relacionado a espécie e que não somo reféns do nosso biológico. De maneira chistosa, finaliza dizendo a Wittels que ele apenas quer cultivar um desejo de que todas as mulheres se mantem putas, prontas para o coito e que ele parece um macho no cio.

Freud expressa um reconhecimento pelo esforço da escrita de Wittels, mas não deixa de dizer que ele foi extremamente indelicado com as mulheres em seu texto. Freud afirma que a civilização impõe fardos pesados as mulheres e que por isso elas ficaram atrasada em termos de evolução na relação com os homens. Por isso, Freud acredita que ele questiona o lugar das mulheres na medicina apenas porque se trata de algo novo socialmente. Freud prossegue afirmando que Wittels confunde sexualidade sublimada com sexualidade bruta e que por sem jovem, logo vai perceber que as mulheres médicas não têm aversão a sexualidade, mas quando saca isso, se torna misógino, em defesa. Ele despreza as mulheres porque pretende desmascarar o objeto que um dia venerou.

Adler acha que Wittels é como um menino que acabou de levantar a saia da amiguinha de escola e descobrir que ela tem genitais femininos e que ele descobriu também que todo médico mexe com o sexual, seja homem ou mulher.

Wittels responde que está extremamente afetado pela fala dos amigos e por isso não se vê em condições de responder aos comentários. Mas retoma que é “incapaz de ter em alta conta a mulher que não escuta o chamado da menstruação”.

Vale a pena acrescentar, a título de localização histórica, que Wittels era sobrinho de Isidor Isaak Sadger, um psicanalista que também participava das reuniões das quartas-feiras. Sadger era obcecado por temas como homossexualidade e perversão e foi considerado um fanático da psicanálise. Freud chegou a chamar Sadger de “fanático hereditariamente tarado por ortodoxia”, que só acreditava na psicanálise por um desvio, poderia mesmo ser fanático por qualquer religião. Segundo Roudinesco, Sadger aplicava a teoria da sexualidade ao pé da letra, sendo conhecido por sua misoginia extrema e por seu papel trágico na história da paciente Hermine, de quem era analista. (Hermine, alías, é uma outra grande história que outro dia eu conto com calma, ela foi uma das primeiras analistas de crianças e também uma das primeiras mulheres a entrar nas reuniões das quartas-feiras, mas tem uma história trágica dentro da psicanálise).

Não vou comentar essa reunião, vou deixar para cada um de vocês tirarem suas próprias conclusões.

 

Comentários

Ainda não existem comentários para este post.

Enviar um Comentário