Associação Livre

As primeiras psicanalistas em 1910

Por Aline Sieiro em 21/01/2017 10:00

Nas reuniões das quartas-feiras, levou um certo tempo até que algumas mulheres fossem convidadas a participar. As reuniões tiveram início em 1902, mas até 1910 nenhuma mulher havia participado, não por falta de pretendentes. As reuniões chegaram a contar com 24 membros homens, 18 deles judeus, 18 deles médicos. Isaack Sadger e Fritz Wittels eram contrários a entrada de mulheres na sociedade, porém todos os outros membros tinham posições favoráveis a essa abertura. Em 1907, as reuniões das quartas-feiras se transformaram na WPV, primeira instituição psicanalítica do mundo. Mas foi apenas em 1910 que a primeira mulher foi aceita em uma instituição de psicanálise, mesmo ano em que a WPV se transformou na IPA. As mulheres psicanalistas foram todas primeiramente conhecidas por serem as famosas histéricas, pacientes dos primeiros analistas.

A entrada das mulheres na psicanálise se deu primeiro pela condição de pacientes e segundo pela condição de analistas da infância. Na biografia de quase todas elas, ou nas pequenas notas que restaram sobre algumas, sempre encontramos como descrição a especificidade na análise com crianças. Curioso pensar que esse era o lugar comum de entrada das primeiras mulheres psicanalistas. Naquele tempo, pensar na infância ainda era função da mulher, fosse ela dona de casa ou psicanalista.

Os anos se passaram, mas existe um ranço dessa história que nos acompanha ainda hoje. É recorrente escutar pelos corredores obscuros da formação de analistas que trabalho com crianças é pouco valorizado, algo simples, muitas vezes visto até mesmo como desnecessário. “Ah, então você atende crianças! Então quem gosta de brincar pode atender crianças”. Ou ainda: “Como é possível a existência de psicanálise com bebês? “. Ao longo de anos, grandes mulheres analistas foram responsáveis pela construção de várias clínicas com crianças, em diversas concepções teóricas dentro das tantas psicanálises existentes. Um estudo quantitativo recente afirma que hoje a maioria das analistas do mundo são mulheres. Independente dos números, o fato é que o lugar das primeiras analistas freudianas ainda fica muito obscurecido por figuras famosas e polêmicas como Melanie Klein e Anna Freud.

A maioria dos chamados primeiros psicanalistas, que somaram 24 em certo tempo das reuniões das quartas-feiras, nunca passaram pelo processo de análise. Assim, é interessante notar que as mulheres inauguram também, na psicanálise, um axioma muito repetido na formação dos analistas ainda hoje, de que um analista sai de sua própria análise pessoal. Como gosta de afirmar Roudinesco, a importância do laço entre os pacientes e seus analistas para a evolução da teoria psicanalítica começa ai, na clínica com essas mulheres e na passagem de muitas delas de pacientes para analistas. Essas mulheres não ensinaram para psicanálise apenas sobre a histeria ou tantos outros quadros diversos; ensinaram também algo sobre a transmissão, sobre a escolha pela psicanálise como uma tentativa de saída para a invenção.

 

Roudinesco, E. Em defesa da Psicanálise.

Silva & Santo. A história das primeiras mulheres psicanalistas do início do século XX.

 

Comentários

Ainda não existem comentários para este post.

Enviar um Comentário