Associação Livre

Você tem o direito de ser triste

Por Aline Sieiro em 14/02/2011 14:29

Se você está numa roda de amigos e começa a falar de algum problema seu, em cerca de cinco minutos cada um deles começará a falar de seus problemas pessoais tentando mostrar como o problemas deles é maior. Para eles você está reclamando por pouco e precisa parar de sofrer. É a competitividade por tragédias, podem reparar. O mesmo acontece com doenças: se um pessoa reclama que a gripe está forte demais, logo chegará alguém para dizer que aquilo não é sofrimento, “sofre mesmo quem tem câncer”. Pensando nessa competição no dia-a-dia, as pessoas têm se esforçado para mostrar que a modernidade trouxe facilidades e que nossos sofrimentos de hoje são (ou deveriam ser) muito menores do que os antigos.

Acontece que sofrimento não tem medida comparativa em tabela objetiva. A dor pessoal não pode ser mensurada como se gostaria e devíamos começar a pensar na tal da tolerância e empatia. Por que tendemos a diminuir a dor alheia? Por que achamos que racionalizar a dor do outro mostrando que há coisas piores no mundo ajudará a pessoa a não sentir a dor que ela sente?

Uma pessoa pode sofrer com um simples caquinho de vidro no pé com a mesma sensação de uma mãe que acabou de perder seu filho para o câncer. Será que devemos ficar medindo quem “merece” sofrer mais, quem está mais certo e tem mais direito de sentir suas dores?

Cada pessoa tem seu modo de lidar com a dor e o sofrimento assim como cada uma consegue ou não lidar com elas de uma forma mais silênciosa ou escandalosa. Por que nos permitimos exercer essa posição de julgadores do outro se só temos a nossa experiência como base da análise de dados?

Se alguém está sofrendo horrores porque não sabe o seu lugar no mundo e não sabe ainda o que vai querer de si e da vida, por que não podemos aceitar que aquele sofrimento deve realmente ser insuportável para aquela pessoa e que pode ser possível que ela sofra por anos a fio de depressão e melancolia? Não é só porque crianças passam fome na África que o sentimento dela é diminuido ou menos dolorido.

Vamos deixar que as pessoas sintam suas dores e sofrimentos do jeito que elas estão sentindo, mesmo que para nossa realidade possa parecer exagerado e absurdo. Vamos permitir que as pessoas sejam tristes quando elas quiserem e parar de entrar nessa exigência social de felicidade 100% do tempo.

Tudo NÃO está maravilhoso e muitos estão tristes com essa exigência de felicidade que a modernidade impõe. Antes eu demorava 5 meses e agora demoro uma hora para chegar em algum lugar graças a tecnologia? Ok, isso é muito legal. Mas não me obriga a ser feliz o tempo todo. Novos problemas aparecem quando novas tecnologias são inventadas e isso é mais do que natural. É parte da evolução.

Nossa sociedade nos oferece mil formas de ter prazer (e com isso ser feliz) e nos coloca essa idéia de que não podemos sofrer com nada. “Ah, você vai sofrer porque não sabe o que quer do futuro? Mas tem tanta coisa pra ser feliz, por que você vai sofrer com isso?” Não somos obrigados a ser felizes só porque a sociedade nos oferece mil formas de obter prazer. Da mesma forma, não temos que medir nossa dor em comparação com a dor dos outros, porque cada uma dessas dores são reais e doloridas para cada uma dessas pessoas.

Você não precisa entender o sofrimento do outro. Só precisa deixar que ele sofra o quanto for necessário naquele momento. Empatia e tolerância.

Comentários

  1. Aline, interessante seu texto. Realmente precisamos ter mais tolerância em relação as dores, aos sentimentos dos outros. Cada um sabe a proporção da sua dor e o que conseguimos é no mínimo imaginar o que o outro pode estar sentindo, o que é nada frente “sentir na pele”. Pena que meu computador está sem áudio e não pude ouvir os vídeos, mas posteriormente quero acessá-los. Percebi que preciso ter um pouco mais de paciência com minha mãe quando ela reclama de suas dores e eu logo apresento um exemplo de alguém que sofre de uma doença grave. Ai, que Deus e ela me perdoem… abraços.

  2. A dor, quando pensada pela psicossomática, sempre quer dizer alguma coisa. Temos que aprender a ouvir.

  3. Engraçado. Não acho que o Louis CK quis dizer que temos que ser felizes e não ser tristes nunca. Opondo aos que acham que devem ser felizes sempre estão os que reclamam de tudo e não percebem que mesmo entre coisas falhas há maravilhas. E no meio tem os que parecem adorar a dor.

  4. eu detesto esse povo que diz que eu “não posso chorar”. Claro que posso. Vão fazer o que, cortar minha mesada?

Enviar um Comentário