Associação Livre

Certas coisas nunca mudam

Por Aline Sieiro em 04/01/2011 22:49

…A melhor herança que um pai pode deixar ao filho não é seu ouro, não é uma viagem à Disneylândia, ou sequer o esforço para pagá-la. É o limite da compreensão, um arbitrário, o cultivo de um silêncio necessário entre as gerações. Freud chamava-o de castração.” J.Forbes

Todo jovem acha que vai mudar o mundo e que vai fazer diferente dos pais, já que esses não tiveram coragem ou capacidade pra mudar e ser diferente. Alguns anos depois, quando se vêem seguindo os passos dos pais, no casamento, por exemplo, querem provar pra todo mundo que o casamento deles é diferente: é mais honesto, é mais comprometido e obviamente vai dar mais certo do que o dos pais. Quando os filhos nascem, mais uma vez o casal se vê unido contra o mundo, pra mostrar que é possível ter uma familia e educar crianças de um jeito melhor e mais efetivo do que foram criados…

O tempo passa, muita coisa muda, mas os conflitos entre gerações nunca mudam. Não mudam e não vão mudar tão cedo. É esse tal desejo de provar pra si mesmo que não é determinado pelo seu passado, pela sua carga familiar e de como é possivel criar um futuro novo, melhor e modelo para as proximas gerações. Acontece que o ciclo sempre vai se repetir.  Por que faz parte de nós esse desejo de ser singular, único e especial, diferente de tudo que já existiu. O que talvez nos falta entender é que podemos ser únicos sem negar nossa história e sem comprometer o nosso futuro.

“Não há relação humana mais fundamental que de filhos com pais e vice-versa. Fundamental e ambivalente: um filho ao mesmo tempo em que representa a continuidade, a prolongação da mãe, ou do pai, é também a sua diferença e o seu limite. É, paradoxalmente, a extrema proximidade e semelhança quem ao mesmo tempo melhor revela a diferença entre as pessoas, o que, para muitos, é insuportável.” J.Forbes

Feliz 2011!

Comentários

Ainda não existem comentários para este post.

Enviar um Comentário