Associação Livre

Arquivo para a Categoria: Deficiência e Inclusão

Você sabe o que é baixa visão?

Por Aline Sieiro em 26/10/2010 14:35
(Vídeo 01: O que é baixa visão)

Além de uma limitação perceptiva, os deficientes visuais são caracterizados por uma ausência de visão, total ou parcial, que influencia diretamente no modo como apreendem as informações do mundo externo.

Na medicina, um deficiente é caracterizado pelo que pode ou não ver e o quanto isto pode ser medido. Assim, para saber se uma pessoa á deficiente visual, sua capacidade visual é medida pela acuidade visual, ou seja, como o grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais (Rocha e Ribeiro-Goncalves, 1987).

Entre um grupo de deficientes visuais, ainda ocorrem subdivisões de tipos de deficientes, de acordo com as limitações que apresentam, e também no quanto de acuidade visual possuem. Há os cegos (ausência total de visão) e aqueles com baixa visão, ou visão subnormal (ainda possuem algum tipo de visão residual).

Segundo Torres & Corn (1990) visão subnormal, ou baixa visão é uma perda severa de visão que não pode ser corrigida por tratamento clínico ou cirúrgico nem com óculos convencionais. Também pode ser descrita como qualquer grau de enfraquecimento visual que cause incapacidade funcional e diminua o desempenho visual. No entanto, a capacidade funcional não está relacionada apenas aos fatores visuais, mas também às reações da pessoa à perda visual e aos fatores ambientais que interferem no desempenho. Muitas funções visuais podem estar comprometidas no indivíduo com visão subnormal, como: acuidade visual, campo visual, adaptação à luz e ao escuro e percepção de cores, dependendo do tipo de patologia apresentada, isto é, do tipo de estrutura ocular que apresenta lesão. Essa condição, no entanto, não deveria ser confundida com cegueira. Pessoas com visão subnormal ainda têm visão útil a qual pode ser melhorada com recursos ópticos especiais. A deficiência visual pode ser menor ou maior dependendo da patologia ou lesão ocular de cada indivíduo.

Para determinar melhor essa divisão, existe uma classificação feita por médicos e oftalmologistas, segundo a qual cegos são aqueles que apresentam acuidade visual de 0 a 20/200 (enxergam a 20 pés de distancia aquilo que uma pessoa normal enxerga a 200 pés), no melhor olho após correção com ajuda de óculos, ou que tenham no máximo um ângulo visual de 20º de amplitude. São considerados indivíduos com visão subnormal aqueles que apresentem acuidade visual de 20/200 pés a 20/70 pés no melhor olho, após correção máxima. (Amiralian, 1997)

O grupo de cegos é formado por aqueles que apresentam desde a ausência total de visão, até a perda de percepção de luz. O grupo de baixa visão é formado por pessoas que teriam desde a condição de indicar a projeção de luz, até o grau em que a redução de visão chega a limitar seu desempenho. (Amarilian, 1986) Ainda segundo esta autora, uma classificação de acordo com a idade também é importante, pois o valor da interação visual nos primeiros anos de vida, não só para formação de conceitos, como de espaço, mas também o estabelecimento das relações afetivas.

As crianças que já nascem com baixa visão têm suas formas próprias de apreender a realidade a sua volta. A grande questão que se coloca para elas é como são vistas pelos outros ao seu redor. Ora são tratadas como cegas, ora são tratadas como se tivessem uma visão normal. (Amiralian, 2004). Muitos pais parecem só conseguir assimilar a realidade de quem enxerga ou de quem é cego, não entendendo que existe outra realidade entre elas. Assim, a atitude materna pode oscilar entre tratar o filho como cego e tratar o filho como uma pessoa que enxerga. Essa situação pode gerar dificuldades emocionais e angústia tanto para os pais quanto para a criança.

Segundo Amiralian (2004), essas dificuldades passadas pelo pelos pais em entender a realidade dos filhos podem levar ao conformismo, ao desinteresse, ao desânimo, ou a uma necessidade de luta pelo filho. Sabe-se o que é enxergar ou não enxergar, mas é muito difícil compreender limitações que variam não só em relação à acuidade visual, mas, também, em relação ao campo visual, à sensibilidade aos contrastes, à adaptação à luz e ao escuro, à percepção de cores e principalmente, à eficácia no uso da visão. A ausência de identificação das crianças que possuem baixa visão constitui-se como um problema nuclear, o que já foi demonstrado por diferentes pesquisas… (Amiralian, 2004)

Por isso, na fase inicial na vida da criança com baixa visão, é de extrema importância a forma como ela se relaciona e se constitui como sujeito. Segundo Amiralian (2004), no estágio inicial de desenvolvimento, a interação com a mãe é considerada primordial, sendo as qualidades dessa interação, e os cuidados fornecidos, elementos essenciais.

Que mãe é essa que consegue ou não sustentar essa posição para seu filho? Amiralian (1997, p.59) comenta que muitos estudos psicanalíticos sobre o desenvolvimento de um bebê deficiente visual mostram as dificuldades principalmente do contato mãe – bebê, no qual estas, ao invés do orgulho natural de conceber, sentem injustiça, orgulho ferido, culpa, depressão, entre outros. Tudo isso, muitas vezes de forma inconsciente, as afasta de seus filhos e, como resultado, o bebê reage a este afastamento com passividade. Segundo Hoffmann (2000), ocorre entre os pais uma espécie de anestesia da função que deveria exercer, e por isso elas acabam restritas somente aos cuidados fisiológicos (…), enceguecidos, os pais não conseguem ver para além dos olhos que não lhes respondem da forma que desejavam. (Hoffmann, 2000).

(Vídeo 2: Como você pode adaptar a escola; como uma pessoa com baixa visão vê)

(Vídeo 3: Adaptações e Recursos)

Saiba mais:

Laramara

Fundação Dorina Nowill

CNIC Canadá

Loja CNIB