Associação Livre

Arquivo para o Mês: janeiro 2017

As primeiras psicanalistas em 1910

Por Aline Sieiro em 21/01/2017 10:00

Nas reuniões das quartas-feiras, levou um certo tempo até que algumas mulheres fossem convidadas a participar. As reuniões tiveram início em 1902, mas até 1910 nenhuma mulher havia participado, não por falta de pretendentes. As reuniões chegaram a contar com 24 membros homens, 18 deles judeus, 18 deles médicos. Isaack Sadger e Fritz Wittels eram contrários a entrada de mulheres na sociedade, porém todos os outros membros tinham posições favoráveis a essa abertura. Em 1907, as reuniões das quartas-feiras se transformaram na WPV, primeira instituição psicanalítica do mundo. Mas foi apenas em 1910 que a primeira mulher foi aceita em uma instituição de psicanálise, mesmo ano em que a WPV se transformou na IPA. As mulheres psicanalistas foram todas primeiramente conhecidas por serem as famosas histéricas, pacientes dos primeiros analistas.

A entrada das mulheres na psicanálise se deu primeiro pela condição de pacientes e segundo pela condição de analistas da infância. Na biografia de quase todas elas, ou nas pequenas notas que restaram sobre algumas, sempre encontramos como descrição a especificidade na análise com crianças. Curioso pensar que esse era o lugar comum de entrada das primeiras mulheres psicanalistas. Naquele tempo, pensar na infância ainda era função da mulher, fosse ela dona de casa ou psicanalista.

Os anos se passaram, mas existe um ranço dessa história que nos acompanha ainda hoje. É recorrente escutar pelos corredores obscuros da formação de analistas que trabalho com crianças é pouco valorizado, algo simples, muitas vezes visto até mesmo como desnecessário. “Ah, então você atende crianças! Então quem gosta de brincar pode atender crianças”. Ou ainda: “Como é possível a existência de psicanálise com bebês? “. Ao longo de anos, grandes mulheres analistas foram responsáveis pela construção de várias clínicas com crianças, em diversas concepções teóricas dentro das tantas psicanálises existentes. Um estudo quantitativo recente afirma que hoje a maioria das analistas do mundo são mulheres. Independente dos números, o fato é que o lugar das primeiras analistas freudianas ainda fica muito obscurecido por figuras famosas e polêmicas como Melanie Klein e Anna Freud.

A maioria dos chamados primeiros psicanalistas, que somaram 24 em certo tempo das reuniões das quartas-feiras, nunca passaram pelo processo de análise. Assim, é interessante notar que as mulheres inauguram também, na psicanálise, um axioma muito repetido na formação dos analistas ainda hoje, de que um analista sai de sua própria análise pessoal. Como gosta de afirmar Roudinesco, a importância do laço entre os pacientes e seus analistas para a evolução da teoria psicanalítica começa ai, na clínica com essas mulheres e na passagem de muitas delas de pacientes para analistas. Essas mulheres não ensinaram para psicanálise apenas sobre a histeria ou tantos outros quadros diversos; ensinaram também algo sobre a transmissão, sobre a escolha pela psicanálise como uma tentativa de saída para a invenção.

 

Roudinesco, E. Em defesa da Psicanálise.

Silva & Santo. A história das primeiras mulheres psicanalistas do início do século XX.

 

As mulheres médicas em 1907

Por Aline Sieiro em 20/01/2017 20:27

Na reunião de 15 de maio de 1907, os primeiros psicanalistas discutiram sobre o artigo de Wittels intitulado “As mulheres médicas”. Eu falei sobre Wittels no meu último texto sobre as atas, estão lembrados? Wittels era um jovem curioso, na falta de outro adjetivo mais preciso.

Fritz Wittels entrou para as reuniões de Psicanálise das quartas-feiras a partir de um interesse pela psicanálise freudiana. Participou durante um ano e começou a atender em seu consultório particular. Não muito tempo depois, por não ter sucedido nessa empreitada, em 1910, foi trabalhar em um sanatório particular e trabalhou durante 15 anos como médico em uma ala psiquiátrica. Nessa mesma época, escrevia muitos romances e os publicava. Em 1919 ele enfrentou uma análise didática e em seguida publicou uma espécie de biografia de Freud, que não ficou satisfeito e pediu correções. Em 1927 foi admitido na IPA. Em 1932 se mudou para os Estados Unidos e passou a fazer parte da Sociedade Americana de Psicanálise. Republicou a biografia corrigida de Freud e passou também a escrever vários textos sobre a técnica psicanalítica. Freud não gostou da republicação da biografia e por vezes acreditava em um certo oportunismo do seu colega de psicanálise.

Enfim, esse jovem Wittels, entre 1907 e 1908, apresentava textos nas reuniões de quarta-feira, textos no mínimo duvidosos. Em geral sobre as mulheres e o lugar das mulheres na sociedade. Ele levava a sério “o chamado da menstruação”, e quase todos os seus textos da época eram em torno dessa hipótese e as consequências dessas “traições” por parte das mulheres que não aceitavam seu chamado. Na reunião de 15 de maio, Wittels falava sobre as mulheres médicas. Na época, as primeiras turmas no curso de medicina haviam aceitado mulheres como estudantes e Wittels defendia, no artigo que apresentou ao grupo de analistas, que profissão de mulheres era a pedagogia. Para ele, a mulher que escolhia pela medicina era histérica e fazia isso por sua capacidade de ser imoral sem culpa, desenvolvendo um bom desempenho como estudante de medicina. Segundo seu texto, a ideia da existência de mulheres médicas era um absurdo, pois uma mulher jamais entenderia os mistérios de um homem e jamais teria condições de assumir cargos na saúde pública, já que sempre abusaria de sua posição em benefício próprio. Wittels concluiu seu texto afirmando que o desejo pelo estudo da medicina era apenas um sintoma de histeria, uma supressão do verdadeiro desejo de uma mulher.

Federn, o primeiro a comentar sobre o texto, diz que Wittels cometo o erro de acreditar que apenas as mulheres seriam capazes de perverter a função da medicina. Ele lembra que muitos homens já usavam suas posições como médico para abusar de pacientes mulheres e que a perversão não é uma característica específica do feminino.

Graf diz a Wittels que ele apenas está com raiva das mulheres que preferem estudar a transar com ele. Hitschmann acredita que o desejo das mulheres de estudar não é histeria e sim uma cura para ela. No entanto, questiona o motivo pelo qual todas as mulheres médicas parecem ser feias e ter seios pequenos. Ele afirma que o princípio feminino é ter filhos, mas que isso é algo relacionado a espécie e que não somo reféns do nosso biológico. De maneira chistosa, finaliza dizendo a Wittels que ele apenas quer cultivar um desejo de que todas as mulheres se mantem putas, prontas para o coito e que ele parece um macho no cio.

Freud expressa um reconhecimento pelo esforço da escrita de Wittels, mas não deixa de dizer que ele foi extremamente indelicado com as mulheres em seu texto. Freud afirma que a civilização impõe fardos pesados as mulheres e que por isso elas ficaram atrasada em termos de evolução na relação com os homens. Por isso, Freud acredita que ele questiona o lugar das mulheres na medicina apenas porque se trata de algo novo socialmente. Freud prossegue afirmando que Wittels confunde sexualidade sublimada com sexualidade bruta e que por sem jovem, logo vai perceber que as mulheres médicas não têm aversão a sexualidade, mas quando saca isso, se torna misógino, em defesa. Ele despreza as mulheres porque pretende desmascarar o objeto que um dia venerou.

Adler acha que Wittels é como um menino que acabou de levantar a saia da amiguinha de escola e descobrir que ela tem genitais femininos e que ele descobriu também que todo médico mexe com o sexual, seja homem ou mulher.

Wittels responde que está extremamente afetado pela fala dos amigos e por isso não se vê em condições de responder aos comentários. Mas retoma que é “incapaz de ter em alta conta a mulher que não escuta o chamado da menstruação”.

Vale a pena acrescentar, a título de localização histórica, que Wittels era sobrinho de Isidor Isaak Sadger, um psicanalista que também participava das reuniões das quartas-feiras. Sadger era obcecado por temas como homossexualidade e perversão e foi considerado um fanático da psicanálise. Freud chegou a chamar Sadger de “fanático hereditariamente tarado por ortodoxia”, que só acreditava na psicanálise por um desvio, poderia mesmo ser fanático por qualquer religião. Segundo Roudinesco, Sadger aplicava a teoria da sexualidade ao pé da letra, sendo conhecido por sua misoginia extrema e por seu papel trágico na história da paciente Hermine, de quem era analista. (Hermine, alías, é uma outra grande história que outro dia eu conto com calma, ela foi uma das primeiras analistas de crianças e também uma das primeiras mulheres a entrar nas reuniões das quartas-feiras, mas tem uma história trágica dentro da psicanálise).

Não vou comentar essa reunião, vou deixar para cada um de vocês tirarem suas próprias conclusões.

 

Sobre a posição “natural” da mulher em 1908

Por Aline Sieiro em 17/01/2017 23:03

Na Reunião de 11 de março de 1908, o tema de discussão dos primeiros psicanalistas era “A posição natural da mulher”. Wittels fez uma conferência sobre a menstruação, desenvolvendo uma hipótese de que na era glacial, a mulher era objeto de veneração dos homens, por isso as relações eram poliglotas; mas perdeu esse lugar com a invenção da propriedade, já que a partir dai os homens queriam que seus filhos herdassem sua terras e passaram a sustentar a necessidade de monogamia. Wittels encerra sua conferência afirmando que uma das consequências desse tempo é a invenção do feminismo, já que as mulheres passaram a lamentar não terem nascido homens e buscam tornar-se um. Wittels enxerga isso como um absurdo.

Na discussão, Sadger acha que a conferência possui muitos erros e não concorda com Wittels. Urbantschitsch acha a hipótese de Wittels genial. Hitschmann acha que o autor da conferência criou um texto fantasioso e trata-se apenas de um reacionário juvenil.

Freud, sobre a discussão, explica que a hipótese de Wittels é fantasiosa e afirma que “as mulheres, como grupo, não ganham nada com os movimentos feministas modernos. Quando muito, os ganhos são apenas individuais” (fazendo referência ao texto da Stuart Mill, Sobre a emancipação feminina).

Adler faz uma fala contundente: chama Wittels de reacionário e diz que o socialismo propõe um quadro de família já abalado, “que as mulheres não tolerarão que a maternidade as impeça de exercer uma profissão”. Ele prossegue, citando Marx, para afirmar que a questão da propriedade já havia sido discutida por ele.

Wittels encerra afirmando que a menstruação é a principal diferença entre o homem e a mulher e que é impossível ser freudiano e social-democrata ao mesmo tempo, e que por isso Adler é contraditório.

Bom, é possível notar que: (1) ser psicanalista e marxista não é uma invenção atual, tai Adler em 1908 referindo-se ao marxismo pra sustentar sua posição de analista. (2) a construção de teorias psicanalíticas a partir de posições políticas também não é novidade, é perceptível nessa reunião a briga entre psicanalistas conservadores e “modernos”, e como isso influencia nas teorizações que eles propõem. (3) Freud não fala de política, mas marca sua posição ética quando afirma que uma mulher não ganha muito com movimentos de grupo, já que, segundo ele, os ganhos são apenas individuais. Não deixa de ser interessante observar que hoje escutamos muitas mulheres reclamando de grupos feministas (extremistas, tomados por ideais), um paradoxo, já que as mulheres sem predicação não cabem em lugar nenhum. (4) nenhuma mulher psicanalista participava dessas reuniões das quartas-feiras nesses primeiros anos.

Apenas acho um pouco frustrante perceber que não produzimos nada muito diferente desses discursos hoje, em 2017. Que estamos sempre girando em torno de uma mesma coisa, isso é um fato; a frustração é sobre a nossa repetição automaton na condição de civilização.

Livro: Atas da Sociedade Psicanalítica de Viena, Vol. 1 – os primeiros psicanalistas 1906-1908.

Sobre a educação sexual em 1908

Por Aline Sieiro em 17/01/2017 22:59

Na reunião de 18 de dezembro de 1907, os primeiros psicanalistas conversaram sobre os traumas sexuais e a educação sexual. Segundo Hitschmann, uma educação sexual se fazia necessária, ao modo de um “esclarecimento”. Steiner, ao final do encontro, afirma que a única educação sexual provém dos traumas. E que uma espécie de “neurose de informação” se apoderou dos homens. Não sei vocês, mas eu acho sensacional observar que: (1) Psicanalistas a trabalho não tem nenhum problema em discordar e fazer isso virar construção teórica e (2) É dos primórdios da Psicanálise a discussão em torno da educação sexual via informação versus a sexualidade como impossibilidade de recobrimento pela razão.

Gracinha demais essas Atas. Recomendo a leitura.

Livro: Atas da sociedade psicanalítica de Viena Vol. 1: Os primeiros psicanalistas 1906- 1908